ASSISTA
10 de Maio de 2016, 09h00

MST afirma ter encontrado correspondência de Temer em fazenda ocupada

Manifestantes acharam um envelope com timbre da prefeitura local. Nele está escrito "ao Dr Michel Temer" a caneta e uma referência a Enio, prefeito de Duartina (SP). O documento é um pedido de reexame de contas no TCE. Vice-presidente, porém, nega ser o dono da propriedade.

Manifestantes acharam um envelope com timbre da prefeitura local. Nele está escrito “ao Dr Michel Temer” a caneta e uma referência a Enio, prefeito de Duartina (SP). O documento é um pedido de reexame de contas no TCE. Vice-presidente, porém, nega ser o dono da propriedade

Por Redação

Representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) afirmam ter encontrado uma correspondência endereçada ao vice-presidente, Michel Temer (PMDB), na varanda da fazenda ocupada ontem (9) pelo grupo.

De acordo com os militantes, essa seria mais uma comprovação do elo do peemedebista com a propriedade, embora ele negue ser o dono das terras. Nos registros formais, a fazenda está no nome do coronel João Batista Lima Filho, conhecido como coronel Lima.

Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, os manifestantes mostraram a correspondência, que seria um envelope tamanho ofício, com timbre da prefeitura local. Nele está escrito “ao Dr Michel Temer” a caneta e uma referência a Enio, prefeito de Duartina (SP). O documento é um pedido de reexame de contas da prefeitura no Tribunal de Contas do Estado (TCE).

A reportagem ressaltou que, para chegar ao local, perguntou a moradores da cidade onde era a fazenda Esmeralda. Eles explicaram o caminho e citavam a área como “a fazenda do Temer”. Questionado, o prefeito disse não se lembrar do envelope, mas admitiu que já participou de um evento com o vice-presidente na propriedade, durante a campanha eleitoral de 2010.

Cerca de mil famílias permanecem acampadas na região, em um protesto contra as articulações de Temer para a derrubada da presidenta Dilma Rousseff. A fazenda, apontada pelo movimento como o “QG do golpe”, tem um total de 1500 hectares e está localizada entre os municípios de Duartina, Fernão, Gália e Lucianópolis, nas proximidades de Bauru (SP).