17 de abril de 2018, 11h08

MST ocupa sede de afiliada da Rede Globo da Bahia durante mais de cinco horas. Vídeo

“Fizemos nosso papel político de denunciar a prisão arbitrária de Lula e a Rede Globo, principal protagonista do golpe e também da prisão do ex-presidente”, declara Elen Rebeca, do Levante Popular da Juventude

Fotos: Divulgação

Um grupo de cerca de 300 pessoas ligado ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e à Frente Povo Sem Medo tomou as dependências da Rede Bahia, afiliada da Globo, no bairro da Federação, em Salvador, capital da Bahia. “Ficamos lá por cinco horas, mas em função da tensão que estava se formando com a polícia decidimos encerrar o protesto. Fizemos nosso papel político de denunciar a prisão arbitrária de Lula e a Rede Globo, principal protagonista do golpe e também da prisão do ex-presidente”, declara Elen Rebeca, uma das lideranças do Levante Popular da Juventude, que estava no local.

Os militantes chegaram de ônibus às 5 horas da manhã e entraram na emissora, que não ofereceu resistência. Elen destaca, ainda, que nesta terça-feira (17) faz dois anos do impeachment que retirou a presidenta Dilma Rousseff do cargo. “É importante fazer esse registro para que ninguém esqueça que faz dois anos que perdemos a democracia no país”, ressalta.

Por sua vez, Evanildo Costa, dirigente nacional do MST, em entrevista à Rádio Metrópole, de Salvador, reiterou as palavras de Elen: “Estamos denunciando o golpe no Brasil. A Rede Globo é responsável por esse golpe que vem destruindo o Brasil”.