Imprensa livre e independente
09 de junho de 2017, 17h20

Mulher é agredida por ginecologista por suas posições políticas

O relato é forte: Branca Alves de Farias fazia um ultrassom endovaginal, em maio, quando o médico lhe perguntou sua profissão. Ao saber que ela trabalhava em um restaurante no Sindicato dos Metalúrgicos, o ginecologista surtou e começou xingar Lula e sugerir que se colocasse chumbinho na comida do ex-presidente, enquanto introduzia a sonda na vagina da paciente de forma agressiva. “Calma, doutor. Por favor”, dizia a mulher  Por Redação  Uma reportagem da rede TVT divulgada nesta sexta-feira (9) mostra um relato forte e absurdo: uma senhora foi agredida por um médico ginecologista durante um exame por conta de suas...

O relato é forte: Branca Alves de Farias fazia um ultrassom endovaginal, em maio, quando o médico lhe perguntou sua profissão. Ao saber que ela trabalhava em um restaurante no Sindicato dos Metalúrgicos, o ginecologista surtou e começou xingar Lula e sugerir que se colocasse chumbinho na comida do ex-presidente, enquanto introduzia a sonda na vagina da paciente de forma agressiva. “Calma, doutor. Por favor”, dizia a mulher 

Por Redação 

Uma reportagem da rede TVT divulgada nesta sexta-feira (9) mostra um relato forte e absurdo: uma senhora foi agredida por um médico ginecologista durante um exame por conta de suas posições políticas. O caso aconteceu em maio deste ano, mas o vídeo com o depoimento emocionado da mulher veio à tona esta semana no especial da TVT sobre assédio no consultório médico.

A comerciante Branca Alves de Farias contou que foi agredida por um médico ginecologista quando foi fazer um exame de rotina em uma unidade da rede municipal de saúde de São Bernardo do Campo (SP). De acordo com Branca, o médico introduziu uma sonda em sua vagina para o ultrassom endovaginal. Ele, então, perguntou sua profissão. Quando ela respondeu que tinha um restaurante no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, berço político do ex-presidente Lula, o ginecologista ficou “vermelho”, irritado e começou um discurso de ódio contra o ex-presidente. Segundo a comerciante, o médico dizia que ela tinha que colocar chumbinho na comida de Lula, que ele tinha que morrer, que era a pior pessoa da face da Terra, entre outros xingamentos.

Veja também:  Bolsonaro condecora os filhos Eduardo e Flávio pela segunda vez em menos de um mês

O mais grave não foi apenas a reação do médico com relação à Lula. Irritado, o ginecologista, de acordo com a paciente, introduzia a sonda de maneira cada vez mais agressiva enquanto falava do petista.

“Calma, doutor. Por favor”, dizia a paciente, que estava com medo do que aquela agressividade poderia causar.

“O meu medo era, com o aparelho lá dentro, de ele machucar alguma coisa, meu útero. Ele se transformou em um bicho”, contou, aos prantos, para a reportagem da TVT. De acordo com a mulher, quando o exame acabou, o médico ainda retirou a sonda do interior de sua vagina de maneira bruta.

Branca registrou um boletim de ocorrência e descobriu que o médico já acumula 4 denúncias parecidas contra ele.

O ginecologista, apesar de atender na rede pública, era contratado de uma empresa que prestava serviços à prefeitura. Em nota, à época, a empresa afirmou que não houve nenhuma agressão.

“Esclarecemos que conversamos com o médico e que o mesmo informou que o exame da cliente foi realizado dentro da norma e rotina padronizada, não havendo nenhuma intercorrência importante, exceto o incômodo inerente à realização do exame. Ressaltamos também que a eventual conversa relatada, transcorreu dentro da normalidade, apenas com intuito de interagir com a cliente, sem jamais pretender ofende-la ou ferir suas convicções”, a empresa pediu desculpa à paciente e acredita que houve “interpretação diferente por parte da cliente”, diz a nota.

Veja também:  Carlos Lupi, presidente do PDT, visita Lula na próxima quinta-feira (23)

Confira o depoimento de Branca à TVT.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum