14 de dezembro de 2014, 14h50

“Mulher séria, honesta e competente”, diz líder do PT sobre Graça Foster

Deputado Vicentinho (PT-SP) afirmou que é preciso provar denúncias contra presidenta da Petrobras, antes de questionar sua permanência no cargo.

Deputado Vicentinho (PT-SP) afirmou que é preciso provar denúncias contra presidenta da Petrobras, antes de questionar sua permanência no cargo Por Redação O líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho (SP), afirmou que não há razão para que a presidenta da Petrobras, Graça Foster, deixe o cargo. Na opinião do parlamentar, antes de questionar a permanência de Foster no comando da estatal, é preciso que sejam provadas as acusações contra ela. “Não se pode condenar nem inocentar indiscriminadamente. Tem que se olhar um por um dos casos. Até que se prove o contrário, ela é uma mulher séria, honesta e...

Deputado Vicentinho (PT-SP) afirmou que é preciso provar denúncias contra presidenta da Petrobras, antes de questionar sua permanência no cargo

Por Redação

O líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho (SP), afirmou que não há razão para que a presidenta da Petrobras, Graça Foster, deixe o cargo. Na opinião do parlamentar, antes de questionar a permanência de Foster no comando da estatal, é preciso que sejam provadas as acusações contra ela. “Não se pode condenar nem inocentar indiscriminadamente. Tem que se olhar um por um dos casos. Até que se prove o contrário, ela é uma mulher séria, honesta e competente”, declarou em entrevista ao jornal O Globo.

O deputado Afonso Florence (PT-BA), que integra a CPMI da Petrobras, comentou as recentes denúncias da funcionária da petrolífera, Venina Velosa, sobre os supostos desvios de recurso investigados pela Operação Lava Jato. Ele disse que quem tem e-mails que ajudem a desvendar o caso deve encaminhá-los à Justiça, ao Ministério Público ou à Polícia Federal. Florence ressaltou ainda que a oposição está criando um palanque político ao pedir a demissão de Foster.

“Pelo que li nos jornais, a senhora Venina falou para o diretor dela (Paulo Roberto Costa) e outros superiores. E houve investigação, com as devidas conclusões. O resto é ilação e para comprometer pessoas sem provas. É disputa política. Se tem prova, que se apresente. Agora, enquanto for notícia de jornal, sem aprofundamento da investigação, não tem o que se falar. A oposição tem que entender que quem ganhou a eleição foi a Dilma, e não o Aécio”, afirmou o deputado à imprensa.

Foto de capa: Agência PT