Imprensa livre e independente
08 de março de 2018, 12h48

Mulheres do MST e MMM ocupam e paralisam a produção do Grupo Guararapes, ligado à Riachuelo

Empresa pertence ao empresário Flávio Rocha, defensor da reforma trabalhista e da Previdência Social

As mulheres ocuparam a unidade do Grupo Guararapes, que fica em Extremoz, no Rio Grande do Norte – Foto: Divulgação/MST Um grupo composto por aproximadamente 800 mulheres, todas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a Marcha Mundial das Mulheres (MMM), ocupou e paralisou a produção do Grupo Guararapes, em Extremoz, no Rio Grande do Norte, a 23 km da capital Natal, na manhã desta quinta-feira (8). Segundo o Brasil de Fato, a ação integra a programação da Jornada Internacional de Luta das Mulheres. A empresa pertence ao empresário Flávio Rocha, proprietário da Riachuelo. Segundo Vanuza Macedo, dirigente nacional do MST, Rocha...

As mulheres ocuparam a unidade do Grupo Guararapes, que fica em Extremoz, no Rio Grande do Norte – Foto: Divulgação/MST

Um grupo composto por aproximadamente 800 mulheres, todas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a Marcha Mundial das Mulheres (MMM), ocupou e paralisou a produção do Grupo Guararapes, em Extremoz, no Rio Grande do Norte, a 23 km da capital Natal, na manhã desta quinta-feira (8). Segundo o Brasil de Fato, a ação integra a programação da Jornada Internacional de Luta das Mulheres.

A empresa pertence ao empresário Flávio Rocha, proprietário da Riachuelo. Segundo Vanuza Macedo, dirigente nacional do MST, Rocha “representa a hipocrisia do empresariado brasileiro que saqueia direitos aliado a políticos como Rogério Marinho (PSDB), relator da reforma trabalhista”.

Em várias oportunidades, Rocha defendeu inúmeras propostas do governo de Michel Temer (MDB), como as reformas trabalhistas e da Previdência. Além disso, o empresário se posicionou como um dos principais críticos ao governo Dilma Rousseff e, nos meses que antecederam o impeachment, declarou que o afastamento de Dilma recolocaria, já nos primeiros dias, o país novamente nos trilhos.

Veja também:  Fórum Sindical | O poder da mobilização popular e da organização sindical

Em 2016, a Riachuelo foi condenada por submeter costureiras a trabalho análogo à escravidão. Uma das trabalhadoras denunciou maus-tratos, que incluíam abusos físicos e psicológicos em razão das pressões para confeccionar as peças. Vanuza Macedo destaca que “desde a década de 1950 seu grupo empresarial se beneficia de isenções fiscais, sendo financiado pelo poder público. De 2009 a 2016, em período de crise econômica no Brasil, sua empresa chegou a receber financiamento público de R$ 1,4 bilhão”, afirma.

A dirigente nacional do MST se refere ao financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), concedido ao grupo Guararapes durante o governo petista. Neste período, as empresas de Flávio Rocha ainda foram beneficiadas com isenção de até 75% do ICMS na construção de fábricas no Ceará e no Rio Grande do Norte.

Para Cláudia Lopes, da Marcha Mundial das Mulheres, as trabalhadoras, neste 8 de março, denunciarão “os que patrocinaram o golpe, exploram os trabalhadores e trabalhadoras e se apropriam dos recursos públicos, principalmente em um momento em que o cortes e a retirada de direitos é justificada por um rombo na receita”.

Veja também:  Reitor do Mackenzie censura debate com a participação de Boulos

Com informações da Página do MST

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum