Imprensa livre e independente
31 de dezembro de 2018, 09h18

Na contramão de Bolsonaro, maioria dos brasileiros quer proibição da posse de arma de fogo

Pesquisa Datafolha revela que o número de brasileiros contrários à liberação da posse de arma de fogo cresceu desde outubro e chegou a 61% da população, ao passo que a parcela de pessoas favoráveis diminuiu

Reprodução
Pesquisa do Instituto Datafolha divulgada nesta segunda-feira (31) aponta que a maioria dos brasileiros quer a proibição da posse de arma de fogo no país, indo na contramão de uma das principais propostas defendidas pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). De acordo com o levantamento, o número de pessoas contrárias à liberação da posse aumentou desde outubro, quando foi realizada a última pesquisa do instituto: à época, quando o assunto estava em voga durante a campanha presidencial, 55% da população se dizia contra a liberação das armas. Este número agora é de 61%. Os novos dados vêm apenas três dias...

Pesquisa do Instituto Datafolha divulgada nesta segunda-feira (31) aponta que a maioria dos brasileiros quer a proibição da posse de arma de fogo no país, indo na contramão de uma das principais propostas defendidas pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

De acordo com o levantamento, o número de pessoas contrárias à liberação da posse aumentou desde outubro, quando foi realizada a última pesquisa do instituto: à época, quando o assunto estava em voga durante a campanha presidencial, 55% da população se dizia contra a liberação das armas. Este número agora é de 61%.

Os novos dados vêm apenas três dias após Bolsonaro anunciar que baixaria um decreto para facilitar a posse de arma, flexibilizando o Estatuto do Desarmamento.

A pesquisa Datafolha mostrou ainda que o número de brasileiros favoráveis à posse de arma de fogo diminuiu de 41% em outubro para 37% em dezembro.

Recortes 

No recorte educacional, os números são: 41% dos entrevistados com ensino superior são favoráveis à posse, ao passo que o índice é de 34% entre os que têm somente o ensino fundamental.

Os mais ricos, de acordo com a pesquisa, tendem a ser mais favoráveis à posse de arma de fogo. Entre os que têm renda familiar mensal de até 2 salários mínimos, 32% defendem a posse de armas. Já entre pessoas que ganham mais de 10 salários mínimos, esse percentual sobe para 54%.

Com relação à região, o Nordeste representa a maior rejeição à posse: apenas 32% a favor da liberação de armas. No Sul, este número salta para 47%.

Campeão mundial 

Mesmo com as restrições impostas pelo Estatuto do Desarmamento, aprovado em 2003 no primeiro mandato do ex-presidente Lula, o Brasil é, atualmente, o país onde mais pessoas são mortas por arma de fogo.

De acordo com um estudo da Global Burden Disease, órgão da Organização Mundial da Saúde, somente em 2016 43,2 mil pessoas morreram vítimas de disparo de armas no país – número maior até mesmo que nos Estados Unidos, onde as restrições para a compra de armas são menores.

Veja também:  Dia 26: os brasileiros contra o Brasil

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum