AO VIVO
22 de Maio de 2014, 17h46

“Não sou homofóbica, esse povo que é cristofóbico”

Cassada pelo Conselho Regional de Psicologia do Paraná nesta sexta-feira (16), Marisa Lobo se declara injustiçada: “Meu erro foi não querer tirar ‘psicologia cristã’ do meu site”

Cassada pelo Conselho Regional de Psicologia do Paraná nesta sexta-feira (16), Marisa Lobo se declara injustiçada: “Meu erro foi  não querer tirar ‘psicologia cristã’ do meu site”

Por Isadora Otoni

Marisa Lobo foi cassada pelo Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR) na sexta-feira (16). O processo corria em sigilo, mas o senador Magno Malta (PR) realizou um discurso no plenário do Senado revelando a decisão e defendendo a psicóloga. De acordo com Lobo, ela sofre perseguição religiosa pelo CRP. “Não sou eu homofóbica, esse povo que é cristofóbico”, declara.

A psicóloga afirmou que vai recorrer ao Ministério Público contra a decisão. Ela se diz inocente das acusações a respeito da “cura gay”. “Quem inventou isso foi a AGLBT [Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais]. Tenho pacientes muito respeitados que gostam de mim, que são homossexuais e que continuam homossexuais”, contou. “Meu erro foi  não querer tirar ‘psicologia cristã’ do meu site”.

“Tentaram me enfiar o tempo inteiro nesse troço de homofobia. Eu tenho 49 amigos em um grupo de Whatsapp que são ex-homossexuais com suas famílias. E são seus meus amigos”, disse, para provar que não é preconceituosa. “A minha filha tem três amigas que são lésbicas. Olha como Deus é bom, né? E elas trabalham com a minha filha e dormem aqui na minha casa”.

Apesar de acreditar que a psicologia deva ajudar as pessoas a fazerem suas escolhas, Marisa responde que não pode orientar homossexuais a se tornarem heterossexuais. “A psicologia não pode [ajudar uma pessoa a se tornar ex-gay] porque o Conselho não permite”, explica. Para ela, isso é tirar “a liberdade das pessoas de não querer viver essa vida”.

Por nota, o Conselho Regional de Psicologia afirmou que não vai se manifestar sobre o caso. “As informações referentes ao processo são sigilosas até o resultado do julgamento, que ainda cabe recurso à instância federal”.

Assista ao discurso de Magno Malta:

(Foto de capa: Agência Câmara)