06 de novembro de 2016, 11h43

“Não vamos ficar calados diante da banalização da violência de Estado”, diz Dilma sobre MST

Ex-presidenta usou seu perfil no Facebook para escrever um texto intitulado “Estado de Exceção”.

Por Redação

A ex-presidenta Dilma Rousseff usou seu perfil no Facebook para repudiar a invasão violenta da Policia Civil na Escola Nacional Florestan Fernandes, do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), em Guararema (SP) na última sexta-feira (4).

O post recebe o título de “estado de exceção” e Dilma comenta casos recentes de truculência polícia contra movimentos sociais como a ocupação das escolas e o MST.

“É lamentável que a semana termine com novos assaltos aos direitos civis e a tentativa de criminalizar os movimentos sociais. O atropelo às regras do Estado de Direito, com a adoção de claras medidas de exceção, deve ser combatido. É uma ameaça à democracia que envergonha o País aos olhos do mundo”, escreveu.

Leia na íntegra: