Imprensa livre e independente
26 de abril de 2016, 18h26

“Nem recatadas, nem do lar”: Mulheres fazem manifestação contra Temer, Cunha e Bolsonaro

Convocado pela Marcha Mundial das Mulheres, o ato tem como objetivo fazer frente ao viés machista associado ao processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff Por Redação Em um levante contra o machismo associado ao processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff, a Marcha Mundial das Mulheres convocou, para a noite desta terça-feira (26), o ato “Nem recatadas, nem do lar! Fora Temer, Cunha e Bolsonaro”, marcado para 18h na Praça Ramos de Azevedo, região central da capital paulista. De acordo com as mulheres, o intuito do ato, que faz referência direta ao perfil da esposa de Michel Temer, publicado pela revista...

Convocado pela Marcha Mundial das Mulheres, o ato tem como objetivo fazer frente ao viés machista associado ao processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff

Por Redação

Em um levante contra o machismo associado ao processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff, a Marcha Mundial das Mulheres convocou, para a noite desta terça-feira (26), o ato “Nem recatadas, nem do lar! Fora Temer, Cunha e Bolsonaro”, marcado para 18h na Praça Ramos de Azevedo, região central da capital paulista.

De acordo com as mulheres, o intuito do ato, que faz referência direta ao perfil da esposa de Michel Temer, publicado pela revista Veja, que a define como uma mulher “bela, recatada e do lar”, é o de denunciar a “votação completamente oportunista” do impeachment na Câmara dos Deputados, bem como o “ódio e o machismo” expressos pelos parlamentares para “defender os interesses de antigas oligarquias politicas e grandes interesses econômicos“.

Na página do evento no Facebook, mais de 18 mil mulheres já havia confirmado presença.

Foto: NINJA

Veja também:  "Somos muito melhores que Bolsonaro e vamos resgatar esse país nas ruas", diz Haddad em ato da Greve Geral

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum