Imprensa livre e independente
02 de março de 2019, 09h06

No Carnaval de SP, Acadêmicos do Tucuruvi fala sobre ditadura e liberdade

Samba da escola relembrou versos da época da ditadura militar, como nas canções “Alegria, Alegria”, de Caetano Veloso, e “Apesar de você”, de Chico Buarque

Foto: Reprodução/TV Globo
Um dos destaques do desfile das escolas de samba do Grupo Especial de São Paulo, já na madrugada deste sábado (2), foi a Acadêmicos do Tucuruvi, que usou como enredo a liberdade. Quarta agremiação a passar pelo Anhembi, a apresentação teve críticas políticas e sociais. O samba-enredo relembrou versos da época da ditadura militar, como nas canções “Alegria, Alegria”, de Caetano Veloso, e “Apesar de você”, de Chico Buarque. Da mesma forma que a Paraíso do Tuiuti, no Rio de Janeiro, em 2018, a escola paulistana apresentou uma ala com patos amarelos manipulados como marionetes, em alusão aos atos que...

Um dos destaques do desfile das escolas de samba do Grupo Especial de São Paulo, já na madrugada deste sábado (2), foi a Acadêmicos do Tucuruvi, que usou como enredo a liberdade. Quarta agremiação a passar pelo Anhembi, a apresentação teve críticas políticas e sociais.

O samba-enredo relembrou versos da época da ditadura militar, como nas canções “Alegria, Alegria”, de Caetano Veloso, e “Apesar de você”, de Chico Buarque.

Da mesma forma que a Paraíso do Tuiuti, no Rio de Janeiro, em 2018, a escola paulistana apresentou uma ala com patos amarelos manipulados como marionetes, em alusão aos atos que pediram o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff, em 2016.

No carro alegórico alusivo à Inconfidência, o destaque foi um banquete com uma ratazana gigante em frente ao Congresso Nacional. Na ala cujo tema era a CLT, os integrantes desfilaram vestidos como carteiras de trabalho.

Venda de votos

Outros componentes da escola sambaram representando “burros vendados”, em referência à venda de votos no Brasil.

Veja também:  Advogado de Lula diz que conluio entre Moro e MPF confirma lawfare

Os caras-pintadas que pediram o impeachment de Fernando Collor de Mello, na década de 1990, também foram lembrados.

Em 2018, a escola não foi julgada, em função de um incêndio que destruiu parte de suas fantasias.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum