14 de novembro de 2018, 19h01

No início do interrogatório, Lula chega a discutir com juíza: “Eu sou dono do sítio ou não?”. Vídeo

“Doutora, eu só queria perguntar para o meu esclarecimento. Porque eu estou disposto a responder toda e qualquer pergunta”, disse o ex-presidente

Foto: Reprodução

O início do interrogatório de Lula, na tarde desta quarta-feira (14), em Curitiba, foi tenso. O ex-presidente, inicialmente, diz à juíza pensar que a acusação contra ele era a de ser proprietário do sítio de Atibaia. “Não, não é isso que acontece. É se beneficiar de reformas que foram feitas. A acusação passa pelo senhor ser dono do sítio, mas a acusação imputada é de o senhor ser beneficiário das reformas que foram feitas por essas três pessoas que eu lhe falei”, respondeu a juíza federal substituta Gabriela Hardt.

Em seguida, ambos chegam a discutir. “Doutora, eu só queria perguntar para o meu esclarecimento. Eu sou o dono do sítio ou não? Porque eu estou disposto a responder toda e qualquer pergunta. Eu sou dono do sítio ou não?”, questionou Lula.

“Isso o senhor que tem que responder e eu não estou sendo interrogada nesse momento”, disse a juíza. Lula interrompeu dizendo que tem que responder é quem o acusou. Gabriela Hardt então chamou a atenção de Lula: “Senhor ex-presidente, esse é um interrogatório. E se o senhor começar nesse tom comigo a gente vai ter problema”.

Apesar do encaminhamento do interrogatório, não há nenhuma prova de que o ex-presidente era o proprietário do sítio de Atibaia. Pelo contrário. Em depoimento nesta segunda-feira (12) à mesma juíza, o empresário Fernando Bittar afirmou ser dono da propriedade é que apenas emprestou a Lula e à sua esposa, dona Marisa Letícia, já falecida.

Fato é que, como não há possibilidade de condenar o ex-presidente pelo fato dele ser proprietário do sítio, pois não há provas disso e o próprio Bittar já admitiu ser o dono do imóvel, o objetivo da acusação é indiciá-lo como beneficiário das reformas do sítio, que nem é dele.

Acompanhem trecho do interrogatório:

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você não pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais