Imprensa livre e independente
25 de outubro de 2017, 15h11

Nos Estados Unidos, negro abraça neonazista e pergunta: “Por que você me odeia?”

Caso aconteceu durante uma manifestação de supremacistas brancos na Flórida e, ao invés de tomar uma atitude violenta, um técnico negro de futebol americano resolveu ter uma outra abordagem com o neonazista. Vídeo viralizou nas redes. Assista  Por Redação As manifestações supremacistas e os embates entre antifascistas e neonazis nos Estados Unidos não pararam em Charlottesville. Quase todas as semanas são registradas manifestações do tipo em diferentes partes do país. Na semana passada, um grupo de supremacistas brancos fazia um ato na Universidade da Flórida. O técnico de futebol americano Aaron Courtney, que é negro, tomou uma atitude surpreendente e,...

Caso aconteceu durante uma manifestação de supremacistas brancos na Flórida e, ao invés de tomar uma atitude violenta, um técnico negro de futebol americano resolveu ter uma outra abordagem com o neonazista. Vídeo viralizou nas redes. Assista 

Por Redação

As manifestações supremacistas e os embates entre antifascistas e neonazis nos Estados Unidos não pararam em Charlottesville. Quase todas as semanas são registradas manifestações do tipo em diferentes partes do país.

Na semana passada, um grupo de supremacistas brancos fazia um ato na Universidade da Flórida. O técnico de futebol americano Aaron Courtney, que é negro, tomou uma atitude surpreendente e, ao invés de confrontar os supremacistas, tentou dialogar. Ele abraçou um homem que vestia uma camiseta com suásticas estampadas e perguntou: “Por que você me odeia?”

“Eu podia ter batido nele, podia tê-lo machucado, mas alguma coisa dentro de mim disse: você quer saber? Ele só precisa de amor”, contou Courtney ao New York Daily News.

De acordo com o técnico de futebol americano, o neonazista, depois de alguma insistência, apenas respondeu: “Eu não sei”.

Veja também:  Inconformados, bolsonaristas criam campanha para deportar Glenn Greenwald

O vídeo que mostra o gesto viralizou nas redes sociais. Assista.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum