Imprensa livre e independente
27 de fevereiro de 2018, 20h18

Novo diretor da PF trabalhou em boa parte da carreira nos EUA e com cooperações internacionais

Rogério Garollo, ao longo de seus mais de 20 anos na Polícia Federal, foi adido da instituição em Washington (EUA), representante da América do Sul na Interpol e estudou Segurança Nacional na Harvard Kennedy School

O novo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, decidiu trocar nesta terça-feira (27) o comando da Polícia Federal (PF), que foi transferida do Ministério da Justiça para a nova pasta. Fernando Segovia será substituído por Rogério Galloro. Formado em Direito, Garollo está desde 1995 na Polícia Federal e é uma figura com forte inserção internacional, tendo os Estados Unidos como parte fundamental de sua formação e carreira. Ao longo dos mais de 20 anos na Polícia Federal, ocupou cargos como o de adido da instituição na embaixada brasileira em Washington (EUA), entre abril de 2011 e junho de 2013. Adido...

O novo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, decidiu trocar nesta terça-feira (27) o comando da Polícia Federal (PF), que foi transferida do Ministério da Justiça para a nova pasta. Fernando Segovia será substituído por Rogério Galloro.

Formado em Direito, Garollo está desde 1995 na Polícia Federal e é uma figura com forte inserção internacional, tendo os Estados Unidos como parte fundamental de sua formação e carreira.

Ao longo dos mais de 20 anos na Polícia Federal, ocupou cargos como o de adido da instituição na embaixada brasileira em Washington (EUA), entre abril de 2011 e junho de 2013. Adido é um policial de alta patente que se responsabiliza, por exemplo, pela Coordenação-Geral de Cooperação Internacional (CGCI). O adido atua com o objetivo de estabelecer parcerias com a polícia do país em que está lotado – no caso de Garollo, os EUA – e praticar uma espécie de intercâmbio policial.

No ano passado, foi escolhido para ser o representante da América do Sul no Comitê Executivo da Interpol. O novo diretor-geral ainda representou a Polícia Federal junto a ICAO (Organização de Aviação Civil Internacional). Sua principal especialização acadêmica também se deu nos Estados Unidos: ele se formou em Segurança Nacional e Internacional da Harvard Kennedy School.

Veja também:  Ator da Globo diz que foi morar em Portugal após sofrer ameaça de morte por ser gay

Além dos cargos de inserção internacional, Garollo ainda foi superintendente regional em Goiás (de outubro de 2007 a janeiro de 2009)e coordenou as operações da Polícia Federal na Copa do Mundo de 2014 e nos Jogos Olímpicos de 2016. Seu último cargo foi como chefe da Secretaria Nacional de Justiça (SNJ), ligada ao Ministério da Justiça, em novembro do ano passado.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum