11 de janeiro de 2019, 08h09

Novo presidente do BB insinuou que mulheres usam tablets como tábua de cortar alimentos

Entre outras publicações de cunho machista, Novaes postou uma montagem com as imagens de Dilma e da ex-presidente da Petrobras Graça Foster, entre outras mulheres, com o seguinte texto: "O uso da burca no Brasil deveria ser obrigatório. Isso não é uma equipe de governo. É um trem fantasma!!!".

Rubem Novaes, o novo presidente do Banco do Brasil, um dos membros da chamada “equipe técnica” do ministro da Economia Paulo Guedes, insinuou com uma imagem em seu Facebook, que mulheres usam tablets como tábua de cortar alimentos. Novaes também teria desferido vários ataques de cunho machistas às mulheres que participaram do governo Dilma Rousseff (PT). A matéria foi publicada na Folha de S. Paulo.

Entre outras publicações de cunho machista, Novaes postou uma montagem com as imagens de Dilma e da ex-presidente da Petrobras Graça Foster, entre outras mulheres, com o seguinte texto: “O uso da burca no Brasil deveria ser obrigatório. Isso não é uma equipe de governo. É um trem fantasma!!!”.

Em outra fotografia de Graça Foster, compartilhada de um internauta de nome César Franco, a legenda diz: “Presidente da Petrobras informa que situação da empresa é tão boa quanto a sua aparência”.

O novo presidente do BB também chamou a ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner de “Cretina Kirschner”.

No mesmo perfil do Facebook, Novaes deixa claro sua falta de apreço à democracia. Ele compartilhou o vídeo de uma entrevista com o escritor Olavo de Carvalho, guru intelectual do governo Bolsonaro, com o título: “1964: 50 anos do contra-golpe”.

Mas não é só nisso que Novaes concorda com Olavo de Carvalho. Ele também diverge dos estudos científicos sobre o aquecimento global.

Ao ser questionado pela reportagem da Folha de S.Paulo sobre as postagens, Novaes não respondeu às questões enviadas e as apagou de sua conta do Facebook.

Novaes foi o responsável pela nomeação do filho do vice-presidente Hamilton Mourão, Antonio Hamilton Rossell Mourão, para o cargo de assessor especial da presidência do banco. O filho de Mourão foi promovido na segunda-feira, dia 7, mesma data da posse de Novaes, para ganhar um salário de 36 mil reais.