Raphael Silva Fagundes

25 de março de 2019, 21h56

O socialismo salvou o mundo do fascismo uma vez e agora precisa salvá-lo novamente

“Todos que não concordam com a ascensão da extrema direita, com a intolerância que isso representa, precisam imediatamente pensar no socialismo, pois sem este o que nos restará será apenas a barbárie”, diz Raphael Fagundes

Foto: Wikimedia Commons

…a história conta o tempo da partida…

Um dos maiores enganos disseminados pela burguesia é a afirmação leviana de que o socialismo foi derrotado. A ascensão da extrema direita nos dias atuais pode mostrar mais uma vez a força das ideias de Marx e Engels.

Se de fato o socialismo foi derrotado, não haverá armas contra a extrema direita, pois a burguesia não é tão contrária assim ao enrijecimento da dominação capitalista. Os liberais pouco se importaram com a ascensão do fascismo na Europa e, somente depois que Hitler mostrou sua ambição e quando os japoneses atacaram os EUA, é que se percebeu a necessidade de combatê-lo. O problema não era o fascismo, mas seu caráter expansionista.

Contudo, a extrema direita de hoje não tem tanto ódio ao liberalismo como a de outrora, pelo contrário, é, em muitos casos, liberal. Sendo assim, a única força contrária a essa nova roupagem do fascismo seria o socialismo.

(É lógico que se o governo de Bolsonaro, por exemplo, fosse fascista, eu não escreveria este texto e sairia ileso. Uso o termo apenas para classificar a face mais agressiva do capital sobre o trabalhador e sobre as liberdades individuais. Conceitos mudam com o tempo).

Podemos chegar à conclusão de que a ascensão da extrema direita está ligada diretamente ao enfraquecimento das esquerdas. Ou, até mesmo, à reformulação pela qual estas passaram após a queda da URSS e depois nos anos 2000, momento em que se aproximaram perigosamente da Terceira via.

As esquerdas aliaram-se aos liberais como o sapo que pediu ajuda ao escorpião para atravessar o rio. Hoje, os liberais participam da destituição da esquerda e alimentam o pior inimigo dela, o fascismo.

Para todos que desejam uma sociedade mais inclusiva, com maior justiça social, aderir ao socialismo é a única opção viável, já que não há nenhuma força historicamente constituída capaz de combater a face mais perversa do capitalismo.

Uma vez Antonio Candido disse que a parte humana do capitalismo é fruto do sangue e suor dos socialistas que lutaram no passado. As leis trabalhistas, as garantias sociais etc., todas essas conquistas têm a garra dos socialistas. Até governos fascistas antanhos tiveram que ceder a essa pressão. E hoje? Sem o socialismo, de onde virá a pressão? Há uma filosofia mais consistente, capaz de libertar o povo da ambição ilimitada do capital?

A extrema direita embrutece o capital, o socialismo embrutece os trabalhadores conscientizando-os da brutalidade dos patrões. É disso que se trata. A extrema direita quer nos transformar em seres dóceis, fáceis de manipular. A única forma de ser contra a extrema direita é ser socialista. É inequívoco. Foi o comunismo que venceu o fascismo. O Exército Vermelho chegou à Berlim, guerrilheiros de esquerda assassinaram Mussolini. Os comunistas libertaram os judeus dos campos de concentração.

Àquela época o nazismo tinha o objetivo de combater o avanço do socialismo, embora, por seu turno, não vivia às graças com o liberalismo. Hoje, a cadela do fascismo cruzou com o liberalismo em uma luta para impor os interesses capitalistas como se fosse um golpe em um corpo socialista agonizante.

A Coreia do Norte se abre para o mundo; Cuba tem a visita da família real inglesa; mais imperialista que a China impossível; o Vietnã, por seu turno, é o maior parceiro dos EUA no sudoeste da Ásia. A brutalidade capitalista agiganta-se e monopoliza o mundo.

Sem uma mobilização de cunho socialista não será possível a superação dessa fase do capitalismo, que retorna ao lado de um modelo econômico liberal, que monopolizou as economias de diversos países, inclusive dos que são comandados por partidos socialistas.

Enquanto a extrema direita vivia nos porões da política, a aliança entre socialismo e liberalismo (que só poderia parir uma aberração) pareceu agradável para muitos. Mas a aliança entre o fascismo e o liberalismo? Certamente não agrada aos socialistas, mas estes terão forças para reagir? Ficarão nos porões como a extrema direita ficou por décadas?

Quando da ascensão fascista nos anos 1930, o socialismo era forte, caminhava-se para uma potência. E agora?

Todos que não concordam com a ascensão da extrema direita, com a intolerância que isso representa, precisam imediatamente pensar no socialismo, pois sem este o que nos restará será apenas a barbárie.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.