16 de abril de 2018, 21h02

Obra de quadrinista sobre violência policial é censurada em exposição no Pará

A capa do livro "Castanha do Pará", que recebeu o Prêmio Jabuti de melhor história em quadrinhos de 2017, foi censurada em uma exposição sobre HQs em Belém do Pará; o desenho, de Gidalti Moura Jr, retrata um jovem escapando de um policial que o agride com um cassetete

A grita de um grupo direitista culminou na censura de mais uma obra artística que estava em exposição. Nesta segunda-feira (16), a organização de uma exposição sobre histórias em quadrinhos do Parque Shopping Belém, no Pará, cobriu um desenho do quadrinista Gidalti Moura Jr. com um tecido preto.

O desenho censurado em questão é, na verdade, a capa do livro “Castanha do Pará”, que recebeu o Prêmio Jabuti de melhor HQ de 2017. A ilustração mostra um jovem – o protagonista da obra – escapando da agressão de um policial, que o ameaça com um cassetete.

De acordo com o jornalista Ancelmo Góes, a censura veio depois que pequena página do Facebook, “Guerreiros do Pará”, replicou o comentário de um PM que se disse “ofendido” com a imagem.

Quem denunciou a censura foi o próprio quadrinista.

“Sobre censura à capa de meu livro em exposição em Belém, gostaria de declarar total repúdio aos conceitos arbitrários que classificaram a imagem como uma ofensa à polícia militar. A retirada da obra do evento é um gesto que vai contra valores fundamentais que defendo, dentre estes, a liberdade de expressão. A obra é ficcional, tem caráter lúdico e expõem situações rotineiras nas metrópoles brasileiras. Quem a compreendeu como apologia ao crime e/ou a desmoralização da polícia militar, o faz de forma leviana e sem ao menos ler o livro “Castanha do Pará”. A retirada da imagem da exposição é uma vitória parcial da ignorância, do medo e de forças antagônicas à liberdade”, escreveu Gidalti em seu Facebook.

O Parque Shopping Belém ainda não se pronunciou sobre a censura.