18 de janeiro de 2019, 15h56

Onyx recebeu R$ 200 mil de fabricante de armas em duas campanhas

Chefe da Casa Civil foi um dos defensores do decreto que facilita a posse de armas, inclusive fazendo comparação com liquidificador

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil Por Vitor Nuzzi, da RBA Defensor do decreto que facilitou a posse de armas, com direito a uma inusitada comparação com o uso de liquidificadores nas residências, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, recebeu, em duas campanhas eleitorais, um total de R$ 200 mil da Taurus, principal fabricante do produto no país, entre revólver, rifles, carabinas, espingardas e submetralhadoras – a empresa também produz capacetes para motociclistas. Os dados constam das prestações de contas à Justiça Eleitoral. No ano passado, as doações passaram a ser restritas a pessoas físicas. Nas eleições de 2010, a então...

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Vitor Nuzzi, da RBA

Defensor do decreto que facilitou a posse de armas, com direito a uma inusitada comparação com o uso de liquidificadores nas residências, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, recebeu, em duas campanhas eleitorais, um total de R$ 200 mil da Taurus, principal fabricante do produto no país, entre revólver, rifles, carabinas, espingardas e submetralhadoras – a empresa também produz capacetes para motociclistas. Os dados constam das prestações de contas à Justiça Eleitoral. No ano passado, as doações passaram a ser restritas a pessoas físicas.

Nas eleições de 2010, a então Forjas Taurus – atual Taurus Armas S/A – fez apenas sete doações, apenas a candidatos do Rio Grande do Sul, onde tem instalada uma fábrica, no município de São Leopoldo. Duas foram para Onyx, que concorreu a deputado federal pelo DEM: foram R$ 100 mil por meio de transferência eletrônica e R$ 50 mil via depósito em espécie, conforme a Justiça Eleitoral.

Fórum terá um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Em 2014, Onyx foi novamente contemplado, mas com valor menor. Desta vez, teve R$ 50 mil, também por transferência eletrônica. A empresa fez doações a mais candidatos, inclusive de outros estados. Ainda nesse ano, a Companhia Brasileira de Cartuchos doou R$ 50 mil. Foi quando a CBC passou a ser o acionista controlador da Taurus.

Na eleição do ano passado, já não era permitida doação de empresas, apenas de pessoas jurídicas. Os principais doadores de Onyx foram Carlos Jereissati (do grupo que controla o Shopping Iguatemi), com R$ 300 mil, Rubens Ometto Silveira Mello (Cosan), R$ 200 mil, e José Sallim Mattar Junior (Rent a Car), com mais R$ 100 mil. O total chegou a pouco mais de R$ 1,6 milhão, sendo R$ 1 milhão do próprio partido do candidato.

Criada há 80 anos, a Taurus, em período de renegociação de dívidas, teve receita líquida de R$ 623,5 milhões de janeiro a setembro do ano passado (último dado disponível), crescimento de 16% em relação a igual período de 2017. Do total, R$ 516,6 milhões referem-se ao mercado externo, com destaque para os Estados Unidos, principal mercado da empresa. Mas o melhor desempenho, em 2018, foi no Brasil, onde a Taurus registrou alta de 51% na receita, ante 10,7% no exterior.

O principal executivo da companhia, Salesio Nuhs, é também o presidente da Associação Nacional de Armas e Munições (Aniam). Na divulgação dos resultados do terceiro trimestre, ele projetou uma produção de aproximadamente 1,3 milhão de armas para o ano passado. Nuhn esteve presente na posse de Jair Bolsonaro.

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais