Os Entendidos

Os Entendidos

Debater a diversidade com bom humor.

23 de novembro de 2017, 22h22

Como uma deusa, Rosana marca os anos 80 com “Coração Selvagem”

Coração Selvagem foi o disco que consagrou a cantora paulista Rosana Fiengo como a grande revelação do ano de 1987, onde encabeçou por semanas seguidas o topo das paradas com a música O amor e o poder . Esta música lhe rendeu não só o título de deusa da música popular brasileira, mas também o tão […]

Coração Selvagem foi o disco que consagrou a cantora paulista Rosana Fiengo como a grande revelação do ano de 1987, onde encabeçou por semanas seguidas o topo das paradas com a música O amor e o poder . Esta música lhe rendeu não só o título de deusa da música popular brasileira, mas também o tão sonhado sucesso que galgava desde seus primeiros passos na carreira artística atuando como crooner na banda de baile Casanova’s.

O começo de tudo 

(Fonte: Revista Pop/1978)

Foi na onda discotéque no fim da década de 70 que a gravadora Odeon, através do produtor Mariozinho Rocha, que Rosana conseguiu contrato para gravar um compacto simples. Uma das faixas, Fique um pouco mais, parceria com o escritor Paulo Coelho, foi parar na trilha sonora da novela Pecado Rasgado do autor Silvio de Abreu que entrou no ar em Setembro de 1978.

A dançante Muito independente (Mariozinho Rocha/Paulo Sergio Valle/Renato Corrêa) seguia a linha das concorrentes Lady Zu, Miss Lene e da atriz Elizângela, que explodia com Pertinho de Você. Rosana ganhou vídeo-clipe para o programa dominical Fantástico – O Show da Vida. 

Rosana também atuou como backing vocal em discos de artistas como Raimundo Fagner (Pressentimento/1985), Emilio Santiago (Mais que um momento/1983 e Tá na hora/1984), Elba Ramalho (Fogo na Mistura/1985), Fafá de Belém (Atrevida/1986), Tim Maia (Chegou a hora/1979, Telefone/1986) Gilberto Gil (Luar/1981e Rita Lee (Rita Hits/1984). Chegou a gravar um obscuro disco na RCA-Victor, produzido por Durval Ferreira em 1983 com a faixa Vim pra ficar (Reinaldo Arias/Paulo Sérgio Valle) sem alarde. Rosana teve passagem em especiais televisivos como A Era dos Halley/1985Uma Aventura no Corpo Humano/1984, de festivais como MPB-Shell em 1981 e Festival dos Festivais em 1985 ambos exibidos pela Rede Globo e até mesmo do especial de final do ano do rei Roberto Carlos em 1981 cantando Let it be em tributo aos Beatles.

Nem um toque 

As inúmeras tentativas de obter destaque como solista em meio a tantas outras cantoras quase a fizeram perder o estímulo e, incentivada por amigos, começou a planejar uma temporada nos Estados Unidos. Até que uma gravação feita no estúdio de Lincoln Olivetti, a pedido do produtor artístico Max Pierre, começou a tocar nos rádios. Era Nem um toque, de Michael Sullivan e Paulo Massadas, que entrara para a trilha de Roda de Fogo em Agosto de 1986. Com a alta rotação nas FM’s, outra música feita sob encomenda para a novela Hipertensão encontrou espaço cativo: Do nada pra lugar nenhum de Sá e Guarabyra. O suficiente para que a gravadora CBS (atual Sony Music) assinasse contrato com a cantora em Março de 1987 para o lançamento do disco que viria a se chamar “Coração Selvagem”. Até lá, um LP Mix com as faixas incluídas nas trilhas era posto à venda para que o seu rosto no mercado se tornasse familiar.

Dueto bilíngue 

De passagem pelo Brasil para divulgar o seu primeiro disco,  Shake it down , o cantor nova-iorquino Gregory Abbott encontra-se com Rosana por intermédio da CBS e a promessa de gravarem juntos se torna real: Tudo é vida (Life Is All) foi gravada com letra em português e em inglês e se torna música de trabalho, também com direito à video-clipe. Era a chegada a hora de editar um disco completo, uma vez que sua voz já se firmara como uma grande promessa no estilo romântico.

O amor e o poder 

Originalmente gravada em 1984 por Jennifer Rush, The power of love (Mende/de Rouge/Rush/Applegate) foi versionada em português por Cláudio Rabello,  inspirada na história dos personagens Jocasta Silveira (interpretada por Vera Fischer) e Édipo Junqueira (Felipe Camargo) para a novela Mandala, de Dias Gomes. Arranjada por Lincoln Olivetti, O amor e o poder tem como base a entrada percussiva de  Iko iko  cantada por Cyndi Lauper no álbum True Colors/1986. Envolta em clima de mistério, a música foi o veículo perfeito para que a voz de Rosana se tornasse nacionalmente conhecida com uma trama que obtinha altos índices de audiência em horário nobre. O real sucesso veio finalmente ao seu encontro.

Longe do fim

Apesar de aclamado pelo público e mídia (o disco vendeu 150 mil cópias e a pôs como uma das maiores revelações do ano de 1987),  Coração Selvagem não foi tão bem aceito pela crítica. Jornalistas na época disseram que sua voz era muito boa para estar cantando um repertório tão popularesco, a taxando de brega. Das 11 faixas do álbum, que ainda permanece inédito em formato digital, 5 (incluindo Bem-me-quer e Custe o que custar de Sullivan e Massadas) foram músicas bem repercurtidas . Ainda deu tempo de pescar uma releitura dance de Bole bole, do álbum Tempos Modernos/1982 de Lulu Santos e repetir no mesmo tom o marcante registro whistle de Minnie Riperton em O dom do nosso amor, a sua versão para Loving you , acompanhada de Cesar Camargo Mariano. Em muitos momentos seu rasgado vocal foi comparado ao de Janis Joplin, uma de suas confessas influências. O esforço pelo reconhecimento valeu e apesar das concessões pelo sucesso, Coração Selvagem alçou Rosana ao patamar das grandes estrelas da música popular na década de 80.