06 de maio de 2018, 10h21

Otimista: Temer diz que seu nome é ‘bem recebido’ em pesquisas de voto

A declaração foi dada ao novo programa de política do SBT, Poder em Foco, em entrevista gravada na sexta-feira (4), mas que deve ir ao ar neste domingo à noite

Foto: Palácio do Planalto

Por Sul 21

Em sua terceira entrevista do ano, Michel Temer (MDB) disse que seu nome está sendo “bem recebido” em pesquisas para as eleições deste ano. Segundo ele, uma possível candidatura sua teria 9% das intenções de votos. A declaração foi dada ao novo programa de política do SBT, Poder em Foco, em entrevista gravada na sexta-feira (4), mas que deve ir ao ar neste domingo à noite.

Questionado sobre a entrada do ex-ministro Joaquim Barbosa na disputa, Temer pediu para discordar da questão de que a cor ou origem poderiam ajudá-lo nas urnas.

“Se me permite, eu não concordo com o fato de ele ser presidente porque é negro. Nem ser presidente porque foi pobre. Pobre eu também fui. Eu tive uma infância… parece que não, mas eu para ir à escola andava 6 km, para ir e para voltar. O Lula foi pobre. Não é esta razão que vai fazer com que fulano seja ou não seja presidente.”

No mesmo programa, Temer reconheceu ainda que pode desistir da candidatura à Presidência e apoiar um candidato de centro.

“Eu não teria dificuldade, não. Se houver uma conjugação política nestes termos que estou dizendo. Se houver algo que seja útil para o País, e daí a história da união de todos os candidatos de centro, por que não apoiar?”, afirmou Temer ao grupo de jornalistas.

Ele chegou a citar como candidato de conciliação o ex-governador de São Paulo e pré-candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, além de outros nomes que acenam candidatura como o ex-ministro de seu governo, Henrique Meirelles (MDB), o dono da Riachuelo Flávio Rocha (PRB), Guilherme Afif Domingos (PSD), Paulo Rabello de Castro (PSC) e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM).