ASSISTA
01 de outubro de 2017, 17h58

Pai cria aplicativo para bloquear celular do filho que ‘não dá sinal de vida’

Quem já não tentou entrar em contato com algum familiar e não foi atendido? Um britânico cansado de ser ignorado pelo filho criou uma solução. Por Bruno Santana Quem já não tentou entrar em contato com algum familiar e não foi atendido? Principalmente quando a relação em questão é de pai/mãe para filho/filha. Cansado de […]

Quem já não tentou entrar em contato com algum familiar e não foi atendido? Um britânico cansado de ser ignorado pelo filho criou uma solução.

Por Bruno Santana

Quem já não tentou entrar em contato com algum familiar e não foi atendido? Principalmente quando a relação em questão é de pai/mãe para filho/filha. Cansado de ligar ou mandar mensagens para o seu filho e não receber nenhum sinal de vida, o britânico Nick Herbert criou um aplicativo que obriga o menino a respondê-lo.

“Aos 13 anos, Ben já tem seu próprio celular. Usa o aparelho principalmente para brincar, mas o deixa no modo silencioso. Então, ficava muito difícil entrar em contato com ele”, contou Herbert à BBC Mundo. “Percebi que o alarme do celular funciona mesmo se o telefone estiver no silencioso. Pensei em criar algo que aproveitasse essa função”.

Desta forma, o pai criou o ReplyASAP – resposta o mais rápido possível, em tradução livre. Toda vez que Herbert entrar em contato com o filho, o app trava a tela do celular e emite um aviso sonoro, interrompendo qualquer coisa que o usuário esteja fazendo.

Para retomar o controle do smartphone, a pessoa precisa responder atender à ligação ou à mensagem recebida. O britânico explicou ainda que o aplicativo deve estar instalado em ambos os aparelhos para que funcione.

Com o ReplyASAP, o pai pode entrar em contato com o filho para mandar mensagens urgentes e também envia notificações quando elas forem lidas. “Não é possível ignorar a mensagem e ainda consigo saber quando ele a visualizou”, afirmou Herbert.

“A princípio, meu filho não gostou do que eu fiz, mas depois ele entendeu a situação e até achou útil”, contou. Ele explica que não usa a ferramenta “todo o tempo”, e sim “apenas para coisas importantes”.

A ideia de Herbert acabou virando um empreendimento e já reúne cerca de 36 mil usuários. Por enquanto, está apenas disponível para usuários do sistema Android – a versão para iOS ainda está em desenvolvimento – e custa US$1 na versão paga, que permite a instalação em até vinte aparelhos. Tem uma versão gratuita também que tem o limite de apenas uma conexão.

*com informações da BBC Brasil
Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas