Imprensa livre e independente
02 de julho de 2015, 17h56

Para Associação dos Magistrados Brasileiros, emenda que reduz a maioridade é inconstitucional

Para entidade, procedimento de levar à nova votação emenda aglutinativa idêntica à reprovada no dia anterior "fere o regimento interno e representa inconstitucionalidade formal à proposta"

Para entidade, procedimento de levar à nova votação emenda aglutinativa idêntica à reprovada no dia anterior “fere o regimento interno e representa inconstitucionalidade formal à proposta” Por Redação A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) emitiu nota na tarde desta quinta-feira (2), na qual afirma considerar “grave” o procedimento adotado pela Câmara dos Deputados “ao levar para nova votação emenda aglutinativa idêntica à proposta reprovada pelo Plenário da Casa na noite de terça-feira”. “Além da constitucionalidade material da PEC 171/1993 ser alvo de questionamento junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), a medida adotada pela Câmara fere o regimento interno e representa...

Para entidade, procedimento de levar à nova votação emenda aglutinativa idêntica à reprovada no dia anterior “fere o regimento interno e representa inconstitucionalidade formal à proposta”

Por Redação

A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) emitiu nota na tarde desta quinta-feira (2), na qual afirma considerar “grave” o procedimento adotado pela Câmara dos Deputados “ao levar para nova votação emenda aglutinativa idêntica à proposta reprovada pelo Plenário da Casa na noite de terça-feira”.

“Além da constitucionalidade material da PEC 171/1993 ser alvo de questionamento junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), a medida adotada pela Câmara fere o regimento interno e representa inconstitucionalidade formal à proposta”, diz o texto, assinado pelo presidente da entidade, João Ricardo Costa. “Para a entidade, não se pode alterar o que está estabelecido pelo artigo 228 da Constituição Federal; e o artigo 60, que trata de emenda à Constituição, veda a deliberação sobre matéria que tente abolir direito ou garantia individual.”

Conforme a nota, a votação e aprovação da emenda aglutinativa significa um “retrocesso” para a democracia brasileira. “O sentimento de todos os operadores do sistema de infância e juventude hoje é de indignação. Buscar a redução da maioridade penal como solução para diminuição da violência juvenil, sem o profundo e importante debate, trará intangíveis danos à sociedade”, finaliza a nota.

Veja também:  "Moro caiu na própria teia que armou no passado", diz Glauber Braga (PSOL-RJ)

Foto: J. Batista/ Câmara dos Deputados

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum