Imprensa livre e independente
30 de outubro de 2018, 16h18

Para Fenaj, eleição de Bolsonaro provoca “futuro incerto para a democracia, o jornalismo e os jornalistas”

Principal representante da categoria dos jornalistas no Brasil divulgou nota em que expressa preocupação com a postura de Bolsonaro e seus seguidores com relação à imprensa; "O político de ultra-direita é avesso a críticas e não admite ser questionado publicamente"

Foto: Reprodução
A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), principal entidade que representa a categoria dos jornalistas no Brasil, expressou preocupação com a democracia diante da eleição de Jair Bolsonaro (PSL) para presidente do Brasil. Em nota elaborada na segunda-feira (29) e divulgada nesta terça-feira (30), a Federação aponta os inúmeros casos de violência contra jornalistas observados durante a campanha eleitoral e chama a atenção para a postura intolerante de Bolsonaro e seus apoiadores diante das críticas. “Os muitos casos de agressões contra jornalistas ocorridos durante a campanha eleitoral e a indiferença de Bolsonaro diante dos ataques reforçam o que a trajetória política...

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), principal entidade que representa a categoria dos jornalistas no Brasil, expressou preocupação com a democracia diante da eleição de Jair Bolsonaro (PSL) para presidente do Brasil. Em nota elaborada na segunda-feira (29) e divulgada nesta terça-feira (30), a Federação aponta os inúmeros casos de violência contra jornalistas observados durante a campanha eleitoral e chama a atenção para a postura intolerante de Bolsonaro e seus apoiadores diante das críticas.

“Os muitos casos de agressões contra jornalistas ocorridos durante a campanha eleitoral e a indiferença de Bolsonaro diante dos ataques reforçam o que a trajetória política dele já demonstrara: o político de ultra-direita é avesso a críticas e não admite ser questionado publicamente, mesmo quando as questões dizem respeito à sua atuação como homem público”, diz a nota.

Leia também
Jornalista pede demissão ao vivo após ser censurado por Bolsonaro

Além dos casos citados pela FENAJ, o presidente eleito, por mais de uma vez, ameaçou grandes empresas de jornalismo do Brasil, como a Folha de S. Paulo, por conta da matéria que denunciava um suposto esquema de caixa 2 em sua campanha. O capitão da reserva chegou a dizer que “esse jornal acabou” e prometeu fazer prevalecer a “mão pesada” de seu futuro governo contra o veículo.

Veja também:  PT cobra TSE sobre revelações do esquema de Whatsapp em benefício da campanha de Bolsonaro

“Ainda que Bolsonaro tenha assumido o compromisso de respeitar a Constituição brasileira, é de conhecimento público suas ideias autoritárias, como a defesa da ditadura militar, e até mesmo criminosas, como a apologia à tortura. Resta saber como vai se comportar a partir de agora, e se vai se submeter às regras democráticas, entre elas a do respeito às liberdades de expressão e de imprensa”, alerta a federação.

Confira, abaixo, a íntegra da nota.

A Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ, representante máxima da categoria no Brasil, expressa sua preocupação com o futuro da nação brasileira, após a eleição da chapa formada pelo capitão reformado Jair Bolsonaro e pelo general Mourão, também reformado, para governar o país a partir de 1º de janeiro de 2019.

A FENAJ repudia a violência contra jornalistas e, em especial, as declarações do assessor de Bolsonaro, Eduardo Guimarães, que apenas esperou a divulgação, no início da noite de ontem (28/10), das pesquisas de boca de urna indicando a vitória de seu assessorado para enviar mensagem ofensiva a diversos jornalistas de diferentes veículos de mídia. Também ontem, jornalistas foram agredidos enquanto faziam a cobertura das comemorações da vitória de Bolsonaro em mais de um Estado brasileiro.

Os muitos casos de agressões contra jornalistas ocorridos durante a campanha eleitoral e a indiferença de Bolsonaro diante dos ataques reforçam o que a trajetória política dele já demonstrara: o político de ultra-direita é avesso a críticas e não admite ser questionado publicamente, mesmo quando as questões dizem respeito à sua atuação como homem público.

Ainda que Bolsonaro tenha assumido o compromisso de respeitar a Constituição brasileira, é de conhecimento público suas ideias autoritárias, como a defesa da ditadura militar, e até mesmo criminosas, como a apologia à tortura. Resta saber como vai se comportar a partir de agora, e se vai se submeter às regras democráticas, entre elas a do respeito às liberdades de expressão e de imprensa.

A FENAJ e os Sindicatos de Jornalistas não aceitam qualquer tipo de violência contra a categoria e categoricamente afirmam que não há justificativa admissível para as agressões que vêm ocorrendo e que cresceram no ambiente virtual no decorrer da campanha.

Igualmente, FENAJ e Sindicatos não aceitam a retirada de direitos dos trabalhadores e trabalhadoras e estarão nas trincheiras da resistência, para evitar mais prejuízos. Como deputado, Bolsonaro votou sempre contra os interesses da classe trabalhadora. Estaremos firmes e alertas para impedir que os retrocessos iniciados por Temer se aprofundem ainda mais.

Diante das incertezas do futuro, a FENAJ e seus Sindicatos filiados reafirmam seu compromisso com a democracia, com o Estado Democrático de Direito, com as liberdades individuais e coletivas e com os direitos humanos, trabalhistas e sociais. E lembram que o Jornalismo e os jornalistas têm papel fundamental para a democracia e a constituição da cidadania e que governantes democráticos submetem-se à crítica e, principalmente, à vontade da maioria que, no Brasil e no mundo, é constituída pela classe trabalhadora.

Em defesa da democracia!

Em defesa das liberdades de expressão e de imprensa!

Em defesa do Jornalismo e dos jornalistas!

Em defesa dos direitos da classe trabalhadora!

Brasília, 29 de outubro de 2018.

Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum