14 de junho de 2018, 09h48

Para Janio de Freitas, processo eleitoral passa pela cela de Lula

Janio afirma que a orientação de Lula para que Ciro não seja hostilizado “significa muito mais do que diz”

Em sua coluna na Folha desta quinta-feira (14), o jornalista Janio de Freitas alerta a quem achava que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estava fora do jogo. O jornalista encerra o seu texto “Ciro visto da prisão” com a frase: “Quem duvidava que, de dentro da prisão, Lula estivesse no processo eleitoral, cuide-se”. Nele, Janio afirma que a orientação de Lula para a direção e a militância do PT é que Ciro não seja hostilizado “e até busquem com ele um pacto de não agressão com vistas ao segundo turno, significa muito mais do que diz”, escreveu. Para...

Em sua coluna na Folha desta quinta-feira (14), o jornalista Janio de Freitas alerta a quem achava que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estava fora do jogo. O jornalista encerra o seu texto “Ciro visto da prisão” com a frase: “Quem duvidava que, de dentro da prisão, Lula estivesse no processo eleitoral, cuide-se”.

Nele, Janio afirma que a orientação de Lula para a direção e a militância do PT é que Ciro não seja hostilizado “e até busquem com ele um pacto de não agressão com vistas ao segundo turno, significa muito mais do que diz”, escreveu.

Para o jornalista, o recado de Lula inclui, não só um provável apoio de Ciro a um candidato do PT, mas também o inverso. Para Janio, “esta última hipótese, porém, vai mais longe: nela está implícita a admissão de que o candidato do PT não chegue ao segundo turno”.

Janio lembra ainda que o futuro de Lula continua incerto, podendo ou não concorrer às eleições presidenciais. “Se os seus processos puderem chegar a um corpo de juízes sem causa política ou ideológica”.

Por fim, o colunista ressalta que não dá para presumir Lula fora do segundo turno. Ao mesmo tempo em que, os seus prováveis substitutos, “até aqui, não geram esperanças em casa”.

Leia a coluna completa aqui