Imprensa livre e independente
23 de agosto de 2017, 15h00

Para liberar mineração, Temer extingue reserva com tribos indígenas e áreas protegidas

Área com mais de 4 milhões de hectares entre o Pará e o Amapá será concedida para empresas de exploração mineral. Ambientalistas protestam: “Uma eventual corrida do ouro para a região poderá causar danos irreversíveis a essas culturas e ao patrimônio natural brasileiro” Por Redação  O governo Temer avança no projeto de desmonte do estado brasileiro e, além das privatizações de empresas estatais, agora entrega ao capital privado o patrimônio natural do próprio país. Foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (23), pelo Governo Federal, um decreto que extingue a Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca). Criada em...

Área com mais de 4 milhões de hectares entre o Pará e o Amapá será concedida para empresas de exploração mineral. Ambientalistas protestam: “Uma eventual corrida do ouro para a região poderá causar danos irreversíveis a essas culturas e ao patrimônio natural brasileiro”

Por Redação 

O governo Temer avança no projeto de desmonte do estado brasileiro e, além das privatizações de empresas estatais, agora entrega ao capital privado o patrimônio natural do próprio país. Foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (23), pelo Governo Federal, um decreto que extingue a Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca).

Criada em 1984, a reserva abrange uma área de mais de 4 milhões de hectares entre o Sul do Amapá e Noroeste do Pará. A extinção da Renca faz parte de um pacote de medidas do governo para ampliar a exploração mineral no país e, com o decreto, o ministério de Minas e Energias já está autorizado a estudar empresas privadas de exploração para assumir o controle da área.

No decreto, o governo salienta que a extinção da área para exploração mineral “respeitará as normas de preservação ambiental”. O problema é que, de acordo com ambientalistas, a autorização para exploração na região abre brechas para que as 9 áreas protegidas – 69% de todo o território da Renca – sejam afetadas. Além das zonas de preservação, há tribos indígenas da etnia Wajãpi vivendo no local.

Veja também:  Investigado no laranjal do PSL, ministro do Turismo recebe primeiros estadunidenses que chegaram sem visto

“Uma eventual corrida do ouro para a região poderá causar danos irreversíveis a essas culturas e ao patrimônio natural brasileiro”, alertou, em nota, Jaime Gesisky, especialista em políticas públicas do WWF-Brasil.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum