Imprensa livre e independente
09 de maio de 2017, 12h40

Para não bater ponto, médico danifica máquina biométrica com Super Bonder

Bruno Gonçalves Rodrigues foi condenado por ter se aproveitado de um apagão no hospital para destruir o equipamento usado no controle de ponto dos servidores; outro médico distraiu o vigia durante a ação Por Redação O médico Bruno Gonçalves Rodrigues foi condenado pela 4ª vara da Fazenda Pública do Distrito Federal após ser acusado de passar cola Super Bonder na máquina biométrica do Hospital Regional de Brazlândia, onde trabalhava à época. A prática configura improbidade administrativa consistente em dano ao patrimônio público. A ação teria sido realizada durante um apagão momentâneo no hospital, enquanto outro médico distraía o vigia, com...

Bruno Gonçalves Rodrigues foi condenado por ter se aproveitado de um apagão no hospital para destruir o equipamento usado no controle de ponto dos servidores; outro médico distraiu o vigia durante a ação

Por Redação

O médico Bruno Gonçalves Rodrigues foi condenado pela 4ª vara da Fazenda Pública do Distrito Federal após ser acusado de passar cola Super Bonder na máquina biométrica do Hospital Regional de Brazlândia, onde trabalhava à época.

A prática configura improbidade administrativa consistente em dano ao patrimônio público. A ação teria sido realizada durante um apagão momentâneo no hospital, enquanto outro médico distraía o vigia, com a intenção de prejudicar o registro do controle de ponto dos servidores.

Alguns pacientes disseram ter testemunhado o fato. Bruno insiste em negar a sua responsabilidade, mas o juiz garantiu que as provas são suficientes para declará-lo culpado. Ainda cabe recurso da decisão. Além da perda do cargo público, ele foi obrigado a ressarcir integralmente o dano e pagar multa civil.

Foto: Agência Brasília

Veja também:  “Para o País, é mais interessante que Moro seja escorraçado da vida pública o quanto antes”, diz professor da UFF

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum