Imprensa livre e independente
26 de julho de 2018, 08h54

Para evitar condução coercitiva, Aloysio Nunes vai depor em ação de Paulo Preto

A juiz informou em ata que ‘embora tenha sido devidamente oficiado por meio de seu gabinete para designar data para sua oitiva’, não houve resposta

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Para não ser conduzido coercitivamente, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB), disse que, assim que retornar ao País, vai informar o dia em que prestará depoimento como testemunha em processo envolvendo supostos desvios na Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa). A juíza da 5.ª Vara Criminal Federal de São Paulo, Maria Isabel do Prado, em ata de audiência no dia 13 de julho, registrou que ‘embora tenha sido devidamente oficiado por meio de seu gabinete para designar data para sua oitiva, não houve resposta com a confirmação da data sugerida pelo juízo ou a indicação de data diversa’.  “Nesta hipótese, de acordo com...

Para não ser conduzido coercitivamente, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB), disse que, assim que retornar ao País, vai informar o dia em que prestará depoimento como testemunha em processo envolvendo supostos desvios na Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa).

A juíza da 5.ª Vara Criminal Federal de São Paulo, Maria Isabel do Prado, em ata de audiência no dia 13 de julho, registrou que ‘embora tenha sido devidamente oficiado por meio de seu gabinete para designar data para sua oitiva, não houve resposta com a confirmação da data sugerida pelo juízo ou a indicação de data diversa’.

 “Nesta hipótese, de acordo com a lei e com o entendimento firmado pelo E. STF no julgamento da Ação Penal nº. 421 QO/SP, noticiado no Informativo nº. 564, de 28/10/2009, restará prejudicada a prerrogativa legal da autoridade e esta será intimada para se apresentar para depoimento em data e horário a serem definidos pelo juízo sob pena de condução coercitiva, nos termos do artigo 218 do diploma processual penal”, anotou.

Veja também:  Reino Unido assina pedido da extradição de Assange para os Estados Unidos

O tucano foi arrolado pela defesa de Tatiana Arana de Souza, filha do ex-diretor da empresa, Paulo Vieira de Souza, de quem é amigo.

Nesta quarta-feira, 25, a magistrada proferiu nova decisão. “Diante da notícia de que a testemunha Aloysio Nunes Ferreira Filho, ministro de Estado das Relações Exteriores, estará em missão diplomática no exterior no dia 26/07/2018, redesigno a data sugerida para sua oitiva para o dia 9 de agosto de 2018, às 10:00 horas, sem prejuízo dos interrogatórios a serem realizados”.

Por meio de sua Assessoria de Imprensa, o ministro informou.

  1. “O ministro Aloysio Nunes Ferreira (Relações Exteriores) desconhece a intimação, pois está em missão diplomática fora do Brasil desde o último dia 14 de julho. Quando retornar ao país, no início de agosto, o chanceler irá informar à juíza Maria Isabel do Prado a data em que irá comparecer ao tribunal.”
  2. Assessoria de Imprensa do ministro Aloysio Nunes (Relações Exteriores)

Com informações do Estadão

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum