Imprensa livre e independente
17 de abril de 2014, 17h50

Para Polícia Civil de SP, Black Bloc é organização criminosa

Dois manifestantes são presos e indiciados em lei contra milícias. Para o jurista Pedro Serrano, “há o perigo de criminalização” dos movimentos sociais e uso equivocado do artigo serve como “instrumento autoritário e político”

Para o jurista Pedro Serrano, “há o perigo de criminalização” dos movimentos sociais e indiciamento pode servir como “instrumento autoritário e político” Por Redação Dois manifestantes, presos na última terça-feira (15), após o ato “Se não houver direitos, não vai ter Copa”, realizado em São Paulo, foram indiciados pela Polícia Civil com base no artigo 288 do Código Penal, por associação a organizações criminosas. Caso sejam condenados, os dois manifestantes podem pegar de 4 a 8 anos de prisão. Após a manifestação, 54 pessoas foram presas pela Polícia Militar por conta de duas agências bancárias terem sido atacadas na avenida...

Para o jurista Pedro Serrano, “há o perigo de criminalização” dos movimentos sociais e indiciamento pode servir como “instrumento autoritário e político”

Por Redação

Dois manifestantes, presos na última terça-feira (15), após o ato “Se não houver direitos, não vai ter Copa”, realizado em São Paulo, foram indiciados pela Polícia Civil com base no artigo 288 do Código Penal, por associação a organizações criminosas.

Caso sejam condenados, os dois manifestantes podem pegar de 4 a 8 anos de prisão. Após a manifestação, 54 pessoas foram presas pela Polícia Militar por conta de duas agências bancárias terem sido atacadas na avenida Vital Brasil, no Butantã, zona oeste de São Paulo. Porém, apenas quatro ativistas foram indiciadas pelos ataques, sendo dois menores de idade e os dois homens considerados “black blocs” pela PM.

Para o jurista Pedro Serrano, professor de Direito Constitucional da PUC-SP, “há o perigo de criminalização dos movimentos sociais” no Brasil. “Nesse caso é um claro equívoco, que quer restringir apenas o direito de se manifestar das pessoas. Primeiro, Black Bloc não é uma organização, é uma forma de ação. Se você quebrar um banco, pode ser um black bloc.”

Veja também:  Bolsonaro admite que quer armar a população para defender seu governo e impedir golpe

Serrano explica que o correto é que o indiciamento se desse por conta de “dano ao patrimônio público e privado”. O jurista afirmou estar preocupado com a “ressaca da criminalização dos movimentos sociais”.  “A lei antiterrorismo será usada para reprimir movimentos sociais e criminaliza-los. Mas não podemos esquecer que a tradição de terrorismo no Brasil é o do Estado”, finaliza.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum