Imprensa livre e independente
08 de junho de 2018, 18h44

Para privatizar Eletrobras, AGU faz manobra inusitada com presidente do TRT-RJ

Para advogado que representa sindicatos, a manobra é uma demonstração do desespero do governo em privatizar o setor elétrico a qualquer custo

Foto: Divulgação/Eletrobras A chamada tropa de choque da Advocacia Geral da União (AGU) se reuniu na tarde desta sexta-feira (8), com o presidente do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro, desembargador Fernando Antonio Zorzenon da Silva, com um objetivo determinado. Na mala, uma demanda inusitada, até hoje muito pouco utilizada no ordenamento jurídico brasileiro: um pedido de suspensão de liminar contra a fazenda pública. O alvo é a liminar proferida pela juíza da 49a. Vara da Justiça do Trabalho do Rio, Raquel de Oliveira Maciel, que suspendeu o processo de privatização das distribuidoras do Norte e Nordeste da Eletrobras, por...

Foto: Divulgação/Eletrobras

A chamada tropa de choque da Advocacia Geral da União (AGU) se reuniu na tarde desta sexta-feira (8), com o presidente do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro, desembargador Fernando Antonio Zorzenon da Silva, com um objetivo determinado. Na mala, uma demanda inusitada, até hoje muito pouco utilizada no ordenamento jurídico brasileiro: um pedido de suspensão de liminar contra a fazenda pública. O alvo é a liminar proferida pela juíza da 49a. Vara da Justiça do Trabalho do Rio, Raquel de Oliveira Maciel, que suspendeu o processo de privatização das distribuidoras do Norte e Nordeste da Eletrobras, por considerar a necessidade de um estudo de impacto da medida sobre os trabalhadores.

Nesta semana, a juíza acatou o pedido de liminar numa Ação Cível Pública Trabalhista, proposta pelos sindicatos dos trabalhadores das empresas de distribuição de energia elétrica STIU-AM, STIU-AC, SINTEPI, SINDUR-RO e STIU-AL, representados pela Advocacia Garcez. Foi a primeira vez que a Justiça reconheceu que um processo de privatização precisa levar em conta os impactos no âmbito dos direitos dos trabalhadores, e não apenas as questões do direito societário ou da transferência de capitais. Na decisão, ela deu 90 dias de prazo às distribuidoras para apresentarem o documento, reduzindo as chances de o governo seguir com o processo de privatização.

Veja também:  Bolsonaro condecora os filhos Eduardo e Flávio pela segunda vez em menos de um mês

Com a manobra desta sexta, o governo de Michel Temer tenta usar um artifício pouco usado. A medida é tão excepcional que não entra, sequer, no sistema de processo eletrônico para consulta. Os advogados dos sindicatos só descobriram, porque estavam aguardando no TRT para despachar com a desembargadora, que ficou encarregada do caso, quando o pelotão da AGU chegou e foi direto falar com o presidente. O pedido é possível, apenas, para o poder público e, assim mesmo, em caso de manifesto interesse público ou de flagrante ilegitimidade, com a justificativa de evitar grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas.

Para Felipe Gomes da Silva Vasconcellos, da Advocacia Garcez, a manobra é uma demonstração do desespero do governo em privatizar o setor elétrico a qualquer custo. Sobretudo porque já tinha dado entrada com um mandado de segurança contra a liminar. “Achamos curioso que a AGU tenha divulgado amplamente para a mídia o seu mandado de segurança em face da liminar que suspendeu a privatização, enquanto silenciou sobre outra tentativa de suspensão da liminar, por meio de requerimento excepcionalíssimo, dirigido ao presidente do TRT da 1a. Região. Embora tenhamos sido atendidos pelo presidente, não tivemos acesso à manifestação da AGU. É preocupante que eventual liminar seja dada sem ouvir os trabalhadores. Não é democrático”, diz.

Veja também:  Entidades denunciam: Política de morte e o fim do departamento de Aids

Agora, a decisão fica nas mãos do presidente do TRT-RJ. Os advogados dos sindicalistas presentes até pediram tempo para se manifestar no processo. No entanto, em função do expediente inusitado, é possível até mesmo que o TRT decida numa canetada, sem ouvir os trabalhadores, principais interessados.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum