13 de outubro de 2013, 13h33

Para Rede Sustentabilidade, agronegócio é “setor essencial na economia”

Marina Silva, que vetou Ronaldo Caiado no palanque eleitoral em 2014 e sempre foi opositora do setor, agora tenta apagar mal-estar com ruralistas

Marina Silva, que vetou Ronaldo Caiado no palanque eleitoral em 2014 e sempre foi opositora do setor, agora tenta apagar mal-estar com ruralistas Por Igor Carvalho Rede divulga nota manifestando apoio ao agronegócio (Foto: Valter Campanato / ABr) Na tarde do último sábado (12), a Rede Sustentabilidade, de Marina Silva, que acaba de se aliar ao governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), divulgou uma nota polêmica, em que “reafirma”, com o agronegócio, o “compromisso com esse setor essencial da economia e da sociedade brasileira.” O comunicado é uma tentativa da Rede de desfazer o mal-estar entre o PSB e representantes...

Marina Silva, que vetou Ronaldo Caiado no palanque eleitoral em 2014 e sempre foi opositora do setor, agora tenta apagar mal-estar com ruralistas

Por Igor Carvalho

Rede divulga nota manifestando apoio ao agronegócio (Foto: Valter Campanato / ABr)

Na tarde do último sábado (12), a Rede Sustentabilidade, de Marina Silva, que acaba de se aliar ao governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), divulgou uma nota polêmica, em que “reafirma”, com o agronegócio, o “compromisso com esse setor essencial da economia e da sociedade brasileira.”

O comunicado é uma tentativa da Rede de desfazer o mal-estar entre o PSB e representantes do agronegócio, depois que Marina Silva vetou uma aliança com o ruralista Ronaldo Caiado (DEM-GO), para o pleito eleitoral de 2014.

“A forte resistência do deputado em trazer para o setor agrícola a necessidade estratégica da sustentabilidade ambiental, econômica e sócio cultural tornaria inviável qualquer aliança política entre a Rede e o DEM”, afirmou a organização na nota, reforçando o caráter pessoal do afastamento de Caiado, e não uma crítica estendida ao agronegócio.

Quando saiu do ministério do Meio Ambiente, em 2008, Marina Silva alegou que o apoio de Lula ao agronegócio a forçou a sair do governo petista. Em 2010, quando se candidatou à presidência da República, pelo PV, a ambientalista carregou consigo a bandeira da sustentabilidade.

No documento, a Rede chega a se comprometer em “trabalhar” para o desenvolvimento desse setor, “sempre com respeito ao ambiente e aos direitos dos trabalhadores rurais e populações indígenas.”