Imprensa livre e independente
07 de maio de 2012, 17h15

Parlamentares paulistas lançam Frente de Solidariedade a Cuba

Evento na próxima quarta, 9, marcará início dos trabalhos, que têm como prioridade a discussão do fim do embargo econômico ao país, a libertação dos cinco cubanos presos nos EUA e a devolução da base de Guantánamo

Evento na próxima quarta, 9, marcará início dos trabalhos, que têm como prioridade a discussão do fim do embargo econômico ao país, a libertação dos cinco cubanos presos nos EUA e a devolução da base de Guantánamo Por Mario Henrique de Oliveira Na próxima quarta-feira, 9/5, a partir das 19 horas, será lançada na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, no auditório Franco Montoro, a Frente Parlamentar de Solidariedade a Cuba. De acordo com os realizadores, a Frente surge em uma busca para reafirmar a luta pelas bandeiras históricas em defesa de Cuba, de sua autodeterminação e sua revolução...

Evento na próxima quarta, 9, marcará início dos trabalhos, que têm como prioridade a discussão do fim do embargo econômico ao país, a libertação dos cinco cubanos presos nos EUA e a devolução da base de Guantánamo

Por Mario Henrique de Oliveira

Na próxima quarta-feira, 9/5, a partir das 19 horas, será lançada na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, no auditório Franco Montoro, a Frente Parlamentar de Solidariedade a Cuba.

De acordo com os realizadores, a Frente surge em uma busca para reafirmar a luta pelas bandeiras históricas em defesa de Cuba, de sua autodeterminação e sua revolução popular. Entre os temas em que acreditam que a Frente será um importante instrumento de luta, está a libertação dos cinco patriotas cubanos presos injustamente nos EUA, o fim do bloqueio econômico imposto pelos EUA à ilha, a desativação da base militar de Guantánamo e devolução deste território aos cubanos.

Vivian Mendes, coordenadora do Movimento Paulista de Solidariedade a Cuba, lembrou que esta não é a primeira vez que uma frente assim é lançada e espera que essa funcione amplamente. “Esperamos agora que ela funcione plenamente, já que ela é muito importante para garantir as demandas cubanas que ainda são muito atuais e um espaço dentro do parlamento para que esses temas sejam discutidos e a ajuda a Cuba, fortalecida”, disse ela.

Veja também:  Senadores contrários ao decreto das armas estão sofrendo ameaças

Ainda segundo Vivian, o papel da frente se diferencia da do movimento. “Ele é mais amplo e esperamos que não seja só de um partido, daqueles de esquerda, envolve muito mais coisa, como direitos humanos etc. Além disso a base do movimento é em entidades e organizações. A Frente busca apoio político de fato”, comentou.

Para o deputado Adriano Diogo (PT), que junto com o movimento organizou o lançamento, “não é possível que um país como Cuba, que investe tanto em educação ainda viva sob a sombra da Guerra Fria. O embargo que o país vive é algo inadmissível nos dias de hoje. Há fatos sobre a Guerra Fria que ainda estão mal esclarecidos”.

O deputado destacou a prisão dos cinco cubanos acusados de espionagem internacional pelos Estados Unidos e a devolução do terreno da base militar de Guantánamo como as prioridades para o início dos trabalhos da frente. “Essas coisas têm que se resolver. A acusação de espionagem contra os cinco cubanos é absurda, pois era justamente contra isso que eles trabalhavam, e os EUA manter uma base na ilha não é cabível. A área tem que ser devolvida aos cubanos”, finalizou.

Veja também:  Carlos Bolsonaro tenta provocar a esquerda em código morse mas erra a tradução

O evento será realizado durante a 5ª Convenção Paulista de Solidariedade a Cuba. A convenção do estado é uma preparação para a 20ª Convenção Nacional, que acontecerá entre os dias 24 a 27 de maio em Salvador, Bahia.

Serviço
9 de maio, quarta-feira, 19h
Auditório Franco Montoro da Assembleia Legislativa de São Paulo
Av. Pedro Álvares Cabral, 201 – Ibirapuera

Foto: Ismael Francisco/Divulgação

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum