Imprensa livre e independente
06 de novembro de 2017, 22h51

Pesquisa no Google mostrando por quem mulheres são mortas viraliza nas redes

a pesquisa no Google em alguns casos diz muito sobre a realidade brasileira. Pode fazer o teste.

Uma simples pesquisa no Google com a consulta “morta pelo…”, “morto pelo…” ou “morto pela” feita no Google diz muito sobre o feminícidio no Brasil e viralizou nas redes no dia de hoje. No caso do mulher, se a consulta for por “morta pela” aparecem como sugestão para completar a frase, na sequência: namorado, marido, ex, cunhado, pai, irmão, ex-dentro da viatura, ex-namorado, padrasto e noivo. Se a pesquisa for relativa ao sexo masculino os resultados são bem diferentes. Se usada a combinação, “morto pela…”. As palavras sugeridas são: polícia, rota, PM, escola, arraia, sogra, que aparece como a primeira...

Uma simples pesquisa no Google com a consulta “morta pelo…”, “morto pelo…” ou “morto pela” feita no Google diz muito sobre o feminícidio no Brasil e viralizou nas redes no dia de hoje.

No caso do mulher, se a consulta for por “morta pela” aparecem como sugestão para completar a frase, na sequência: namorado, marido, ex, cunhado, pai, irmão, ex-dentro da viatura, ex-namorado, padrasto e noivo.

Se a pesquisa for relativa ao sexo masculino os resultados são bem diferentes. Se usada a combinação, “morto pela…”. As palavras sugeridas são: polícia, rota, PM, escola, arraia, sogra, que aparece como a primeira combinação de gênero.

E se for “morto pelo…” as combinações são: PCC, montanha, tráfico, estado islâmico, trem e assim por diante sem que apareça nenhum combinação de morte pelo gênero feminino.

Ou seja, a pesquisa no Google em alguns casos diz muito sobre a realidade brasileira. Pode fazer o teste.

 

Veja também:  O Brasil precisa enfrentar seu “Bicho de 7 Cabeças”

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum