26 de junho de 2018, 19h57

Petição online exige que TV Cultura se retrate com Manuela D’Ávila

A pré-candidata à presidência pelo PCdoB foi alvo de inúmeras provocações machistas e interrupções durante sua entrevista no programa Roda Viva. Campanha, que já conta com mais de 5 mil assinaturas, pede ainda que a emissora conceda espaço para que Manuela D'Ávila exponha, de fato, suas propostas, sem ser interrompida. Saiba como assinar

Foto: Reprodução/Facebook Manuela D'Ávila

Internautas criaram, na tarde desta terça-feira (26), uma petição online no Avaaz exigindo que a TV Cultura se retrate com a pré-candidata à presidência pelo PCdoB, Manuela D’Ávila.

Na entrevista desta segunda-feira (25) ao ‘Roda Viva’, Manuela foi interrompida mais de 60 vezes pelos entrevistadores, que a provocavam com insinuações e falácias relacionadas à esquerda, ao comunismo e ao seu apoio a Lula. Até mesmo um coordenador da campanha de Jair Bolsonaro que sequer é jornalista, com ideias ultradireitistas, foi colocado na bancada para provocar a deputada estadual.

“Repudiamos a postura desrespeitosa e machista com que a pré-candidata Manuela D’Ávila foi tratada no programa Roda Viva na TV Cultura. Exigimos que a emissora cumpra seu papel de veículo público de comunicação dando espaço para que a a pré-candidata exponha de fato suas propostas, marcando uma nova data para um debate real e qualificado, já que ficou impossível no programa exibido na segunda-feira 25, dado o número de interrupções feitas pelos entrevistadores convidados pelo canal e pelo mediador. A emissora deve também se retratar, pois a reprodução do machismo e do desrespeito a mulher foi propagada em rede nacional pública em uma sociedade com altíssimos índices de violência contra a mulher”, diz o texto da petição, que já conta com mais de 5 mil assinaturas. Para assinar, clique aqui.

Reações

A postura da bancada de entrevistadores do ‘Roda Viva’ diante de Manuela D’Ávila gerou uma série de críticas de internautas, políticos, jornalistas e personalidades. O Partido dos Trabalhadores, por exemplo, escreveu em nota que o que se viu no programa foi “um festival de horrores”.

“A pré-candidata do PCdoB foi atacada de forma virulenta durante todo debate. Um desfile de machismo e misoginia da pior espécie, de causar repulsa em qualquer brasileira e brasileiro que esperava assistir a uma entrevista que discutisse os rumos do País”, diz a nota.

A ex-presidenta Dilma Rousseff também manifestou solidariedade a Manuela e repúdio ao programa através de nota: “As grosserias do ‘Roda Viva’ demonstram que a imprensa brasileira se tornou uma facção política e partidária. Manifesto minha integral solidariedade à deputada Manuela D’Ávila, alvo de ataques machistas e misóginos no ‘Roda Viva’. Convidada para falar sobre sua candidatura, Manuela foi hostilizada pelo âncora e pelos entrevistadores”, escreveu a petista.

Leia também
Ciro Gomes apoia Manuela: “Não vão conseguir calar essa voz”