Piauí quer autorização para plantar maconha para produzir canabidiol | Revista Fórum
13 de julho de 2018, 08h09

Piauí quer autorização para plantar maconha para produzir canabidiol

Estado pode ser o primeiro a produzir um dos derivados da planta usado para fins medicinais e que não gera efeitos psicoativos. 

O governo do Piauí vai pedir autorização da Polícia Federal e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), ligada ao Ministério da Saúde, para começar a plantar maconha a fim de produzir o canabidiol, um dos derivados da planta usado para fins medicinais e que não gera efeitos psicoativos.

Pacientes que usam o medicamento já têm obtido autorização para usá-lo desde 2014 pela Anvisa, no entanto é preciso importá-lo dos Estados Unidos. Em geral, crianças com epilepsia e crises convulsivas graves utilizam o canabidiol no tratamento. Há também diversas pesquisas que demonstram a eficácia no tratamento contra o câncer, com redução de dor e náusea e aumento de apetite.

“Como é que eu posso ter um medicamento que pode ser utilizado dentro do Brasil para o tratamento de saúde produzido nos outros países e não pode se produzido aqui? Acho que é uma hipocrisia que tem que ser quebrada”, disse ao jornal Folha de S. Paulo o governador Wellington Dias (PT).  Ainda segundo ele, o preço do medicamento cairia em até 20 vezes se feito nacionalmente.

O projeto do governo do Piauí envolve as universidades estadual e federal do estado. As universidades já fazem pesquisas e desenvolveriam as fórmulas farmacêuticas e fariam o controle de qualidade do canabidiol e o acompanhamento dos resultados junto aos pacientes. Ao governo estadual caberia o cultivo.