Imprensa livre e independente
22 de outubro de 2015, 10h24

“Pílula fica, Cunha sai”: A mobilização de internautas contra o PL de Eduardo Cunha

Aprovado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, o projeto de Lei de autoria de Eduardo Cunha altera a Lei de Atendimento às Vítimas de Violência Sexual e abre margem para, entre outros retrocessos, criminalizar a pílula do dia seguinte; como resposta, milhares de internautas criaram uma campanha com fotos se posicionando contra o projeto. Confira

Aprovado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, projeto de lei de autoria de Eduardo Cunha altera a Lei de Atendimento às Vítimas de Violência Sexual e abre margem para, entre outros retrocessos, criminalizar a pílula do dia seguinte; como resposta, milhares de internautas criaram uma campanha com fotos se posicionando contra o projeto. Confira Por Redação Depois de um debate acirrado, foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (21), o projeto de lei (PL) 5069/13, de autoria de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que modifica a Lei de Atendimento às Vítimas de...

Aprovado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, projeto de lei de autoria de Eduardo Cunha altera a Lei de Atendimento às Vítimas de Violência Sexual e abre margem para, entre outros retrocessos, criminalizar a pílula do dia seguinte; como resposta, milhares de internautas criaram uma campanha com fotos se posicionando contra o projeto. Confira

Por Redação

Depois de um debate acirrado, foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (21), o projeto de lei (PL) 5069/13, de autoria de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que modifica a Lei de Atendimento às Vítimas de Violência Sexual. Entre as principais mudanças, o PL criminaliza a propaganda, o fornecimento e a indução ao aborto e a métodos abortivos e estabelece que a mulher vítima de estupro procure uma delegacia e passe por um exame de corpo de delito antes de ser atendida pelo sistema público de saúde.

O texto, que ainda deverá ser votado em plenário, abre margem, no entanto, para ainda mais mudanças que, de acordo com parlamentares que se posicionaram contra o PL, são um verdadeiro retrocesso. Uma delas é a possível proibição da pílula do dia seguinte.

Veja também:  Lula está "indignado" e quer debate na Globo com Moro e Dallagnol, diz Juca Kfouri

O PL altera outra lei editada pelo governo federal que define como “profilaxia da gravidez” a “medicação com eficiência para prevenir a gravidez”. Pelo novo texto, profilaxia da gravidez poderá estar ligada a “procedimento ou medicação, não abortivos, com eficiência precoce para prevenir gravidez resultante de estupro”. Isto é, o projeto indica que medicações consideradas “abortivas” não poderão ser utilizadas.

Pelas redes sociais, como resposta, internautas criaram a campanha “Pilula fica, Cunha Sai”. A iniciativa propõem que mulheres tirem fotos segurando placas com esses dizeres. Poucas horas após a aprovação do PL na CCJ, um evento da campanha foi criado no Facebook e já conta com mais 6 mil inernautas participando.

Confira algumas postagens:

Fotos: Reprodução/Facebook

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum