Imprensa livre e independente
18 de setembro de 2017, 12h25

PM é acusada de impedir embarque para Parada LGBT na Ilha do Mel

O coordenador da Associação Paranaense da Parada da Diversidade (APPAD), Márcio Marins, revelou que, após a proibição do evento, policiais, sob coação, não deixaram pessoas embarcarem para o local.

O coordenador da Associação Paranaense da Parada da Diversidade (APPAD), Márcio Marins, revelou que, após a proibição do evento, policiais não deixaram pessoas embarcarem para o local. Da Redação* Mais um ato de intolerância por parte da Polícia Militar foi registrado neste fim de semana. Um grupo de pessoas que participaria da 1ª Parada LGBT da Ilha do Mel, no litoral do Paraná, foi coagido por integrantes da PM e não embarcou para o local. O caso ocorreu depois do cancelamento do evento, devido a uma ordem judicial, que interditou a Pousada Aninha, onde estava programada a concentração. Segundo Márcio...

O coordenador da Associação Paranaense da Parada da Diversidade (APPAD), Márcio Marins, revelou que, após a proibição do evento, policiais não deixaram pessoas embarcarem para o local.

Da Redação*

Mais um ato de intolerância por parte da Polícia Militar foi registrado neste fim de semana. Um grupo de pessoas que participaria da 1ª Parada LGBT da Ilha do Mel, no litoral do Paraná, foi coagido por integrantes da PM e não embarcou para o local. O caso ocorreu depois do cancelamento do evento, devido a uma ordem judicial, que interditou a Pousada Aninha, onde estava programada a concentração.

Segundo Márcio Marins, coordenador da Associação Paranaense da Parada da Diversidade (APPAD), algumas pessoas foram impedidas de entrar nos barcos que fazem o trajeto de Pontal do Paraná até a ilha. Marins afirmou, ainda, que o caso deve ser levado nesta segunda-feira (18), à Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária (Sesp) e ao Conselho Permanente de Direitos Humanos do Paraná (Coped). O coordenador da APPAD revelou que recebeu imagens de várias viaturas policiais no local e que o efetivo policial no dia era maior do que o empregado no Carnaval.

Veja também:  Dilma rebate novas mentiras de Palocci sobre “banqueiro do pré-sal”

A 1ª Parada LGBT da Ilha do Mel, que seria realizada neste final de semana (16 e 17), foi cancelada depois da decisão do juiz Guilherme Moraes Nieto, da 1ª Vara Cível de Paranaguá. A pousada, onde aconteceria a concentração, foi interditada depois do pedido do Ministério Público. A Secretaria Municipal de Fazenda de Paranaguá informou que a pousada não possui alvará de localização e funcionamento para o exercício de 2017. Já o Corpo de Bombeiros afirmou que a pousada não possui os requisitos de segurança contra incêndio e pânico.

Para Marins, a proibição da Parada LGBT causa estranheza, até porque, segundo ele, há poucas semanas houve um festival grande na ilha. Márcio Marins diz não duvidar dos motivos que levaram ao cancelamento da festa, mas pede que eventos LGBT sejam tratados como todos os outros.

*Com informações da Rádio CBN

Foto: Divulgação/AAPAD

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum