ASSISTA
16 de Abril de 2018, 11h49

PM expulsa soldado que denunciou ter sido vítima de tortura e homofobia dentro da corporação

"Se algo acontecer com a minha vida, com a minha integridade física, a responsabilidade é do comandante do batalhão, da Polícia Militar e do Estado”, disse o soldado

O soldado Adriell Rodrigues Alves da Costa, de 35 anos, foi expulso da Polícia Militar pouco mais de seis meses depois de publicar nas redes sociais um vídeo acusando os oficiais do 39º Batalhão da Polícia Militar de ‘perseguição, tortura e homofobia’.

No vídeo, o agora ex-policial manifestou medo de ser morto: “Se algo acontecer com a minha vida, com a minha integridade física, a responsabilidade é do comandante do batalhão, da Polícia Militar e do Estado, que nada fizeram para apurar as minhas denúncias”, dizia.

A justificativa do comando da PM para a expulsão é “transgressão disciplinar de natureza grave”. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), Costa agrediu uma equipe de saúde e outros policiais durante uma avaliação clínica marcada a ele pela corporação durante apuração dos fatos.

O ex-militar, que é formado em odontologia, ficou indignado com a decisão. “Fiquei dentro da minha casa esperando atendimento médico durante oito dias. Eu ia entrar em deserção. Me convenceram a ir dizendo que eu ia para São Paulo. Era mentira”. Ele, que acabou preso por 34 dias, diz ser vítima de um crime “forjado” pelo comando.

Homofobia

Costa diz ainda ser vítima de preconceito e perseguição em razão da orientação sexual. “Eu escutei de um cabo que eu tinha que ‘virar homem’. Ele me disse: ‘Você não é homem. Você não está agindo como um homem’. Decididamente, um inferno começou na minha vida quando vim para a Baixada [Santista]”.

O soldado afirma que seguiu todos os protocolos antes de gravar o vídeo. Ele disse também que registrou denúncias e pedido de ajuda dentro do próprio batalhão, depois procurou o comando do CPI, responsável pela unidade policial. Sem sucesso, ainda buscou respaldo na ouvidoria da PM e, também, na corregedoria.

Leia a matéria completa no G1