Imprensa livre e independente
05 de abril de 2019, 13h45

PM que empurrou aluna com cano da arma em escola de Guarulhos é afastado

Vídeos divulgados nas redes sociais mostram que o policial empurra a adolescente com uma arma de cano longo, que se assemelha a uma espingarda calibre 12 – modelo autorizado pelo governador João Dória (PSDB) para uso da PM em todos os chamados ao 190

Policial empurra estudante com arma em escola pública de Guarulhos (Reprodução)
A Ouvidoria da Polícia Militar de São Paulo informou à Fórum no início da tarde desta sexta-feira (5) que o PM que empurrou com o cano de uma arma uma aluna da escola estadual Frederico de Barros Brotero, de Guarulhos, durante manifestação na noite desta quinta-feira (4) foi afastado de suas funções. Vídeos divulgados nas redes sociais mostram que o policial empurra a adolescente com uma arma de cano longo, que se assemelha a uma espingarda calibre 12 – modelo autorizado pelo governador João Dória (PSDB) para uso da PM em todos os chamados ao 190. Dois adolescentes foram apreendidos...

A Ouvidoria da Polícia Militar de São Paulo informou à Fórum no início da tarde desta sexta-feira (5) que o PM que empurrou com o cano de uma arma uma aluna da escola estadual Frederico de Barros Brotero, de Guarulhos, durante manifestação na noite desta quinta-feira (4) foi afastado de suas funções.

Vídeos divulgados nas redes sociais mostram que o policial empurra a adolescente com uma arma de cano longo, que se assemelha a uma espingarda calibre 12 – modelo autorizado pelo governador João Dória (PSDB) para uso da PM em todos os chamados ao 190. Dois adolescentes foram apreendidos na ação, sendo que a retenção de um deles foi o motivo do policial sacar a arma contra a aluna (veja vídeo).

Por meio da Secretaria de Segurança Pública, a PM disse que “tomou ciência do vídeo da ação e instaurou investigação para analisar a conduta dos policiais envolvidos e todas as circunstâncias da ocorrência”.

Diversos pontos questionados pela Fórum permanecem, contudo, sem respostas. Entre eles: quem acionou e autorizou a entrada de policiais na escola; se a direção da unidade e a Secretaria de Educação considera que as medidas policiais foram necessárias; o número de agentes na operação; se houver orientação superior para o uso de armas a fim de conter os alunos; e se houve disparo de tiros.

Veja também:  Secretário Municipal de Saúde de SP vira réu por improbidade administrativa

Alesp
O deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL-SP) pedirá que a Comissão de Educação da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), com urgência, convoque a direção da escola estadual Frederico de Barros Brotero e a diretoria de ensino da região Sul de Guarulhos para que seus responsáveis prestem esclarecimentos sobre “o autoritarismo” e “a violência policial” identificados em operação armada na noite de quinta-feira (05), nas dependências da unidade.

“É inadmissível que se coloque a polícia dentro da escola para resolver questões pedagógicas e de gestão escolar. Alunos do período noturno apenas faziam manifestação contra o autoritarismo do diretor que os impede de entrar na segunda aula”, disse o deputado.

Segundo estudantes, o protesto tinha como objetivo cobrar melhorias para o colégio e a destituição do atual diretor, que desde o início do ano impede os alunos entrarem na segunda aula.

A manifestação foi realizada por alunos do turno noturno, a maioria além de estudar, trabalha, por isso tem dificuldades de chegar no horário.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum