28 de outubro de 2013, 16h59

Moradores da Vila Medeiros (SP) protestam após morte de adolescente por PM

"Por que o senhor atirou em mim?", perguntou jovem antes de morrer

“Por que o senhor atirou em mim?”, perguntou jovem antes de morrer Por Redação “Nem ele sabe por que tomou um tiro”, disse a mãe de Douglas Rodrigues (Reprodução) Na tarde de domingo (27), o estudante Douglas Rodrigues, de 17 anos, foi morto pelo soldado Luciano Pires, de 31 anos, na Vila Medeiros, zona norte de São Paulo. O estudante estava em frente a um bar na Rua Bacurizinho com seu irmão de 13 anos. “Já chegaram dando tiro de dentro do carro. Não falei nada, não teve  nem reação do meu irmão”, disse o irmão da vítima, em entrevista ao...

“Por que o senhor atirou em mim?”, perguntou jovem antes de morrer

Por Redação

“Nem ele sabe por que tomou um tiro”, disse a mãe de Douglas Rodrigues (Reprodução)

Na tarde de domingo (27), o estudante Douglas Rodrigues, de 17 anos, foi morto pelo soldado Luciano Pires, de 31 anos, na Vila Medeiros, zona norte de São Paulo. O estudante estava em frente a um bar na Rua Bacurizinho com seu irmão de 13 anos. “Já chegaram dando tiro de dentro do carro. Não falei nada, não teve  nem reação do meu irmão”, disse o irmão da vítima, em entrevista ao SPTV.

A família do jovem declarou que ele cursava o 3º ano do Ensino Médio, além de trabalhar em uma lanchonete. Também na entrevista ao telejornal, a mãe da vítima, Rossana de Souza, contou que ele morreu sem saber o motivo do disparo. “Ele ainda perguntou: ‘Senhor, por que o senhor atirou em mim?’ Nem ele sabe por que tomou um tiro”, disse ela.

A Polícia Militar diz ter sido acionada por uma ocorrência de perturbação do sossego e declarou que o disparo foi acidental, quando o soldado saiu da viatura. No entanto, o irmão da vítima diz que o policial não chegou a sair do carro.

Em protesto, moradores do bairro fizeram manifestações de indignação durante a madrugada. Segundo a Agência Brasil, três ônibus foram depredados, três coletivos e dois veículos, queimados, uma viatura teve vidros quebrados e duas agências bancárias foram depredadas. O protesto, que reuniu 300 pessoas, segundo a PM, terminou por volta das 4h de hoje. Seis pessoas foram levadas ao 73º Distrito Policial.

Assista abaixo à matéria do SPTV reproduzida no Youtube: