Imprensa livre e independente
05 de abril de 2019, 16h08

Ponte Jornalismo denuncia censura do governo de SP em coletiva de imprensa

Repórter da Ponte Jornalismo, veículo que trata sobre segurança pública e denuncia abusos policiais, foi impedida de fazer uma pergunta, mesmo inscrita, durante coletiva de imprensa com autoridades da PM; assessora quis saber tema da questão previamente

Foto: Reprodução
A Ponte Jornalismo, veículo que trata de segurança pública e direitos humanos, denunciou na tarde desta sexta-feira (5) que uma de suas repórteres foi censurada durante uma coletiva de imprensa, mais cedo, da secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo. De acordo com o site, a repórter e editora Maria Teresa Cruz se inscreveu para perguntar na coletiva sobre a ação da Polícia Militar em Guararema, nesta quinta-feira (4), que vitimou 11 pessoas. Estavam na mesa ario Sarrubbo, subprocurador-geral de SP, Tenente Mario Alves da Silva Filho, comandante da Rota, Tenente Coronel José Carlos Alves Brandão, comandante do CPA –...

A Ponte Jornalismo, veículo que trata de segurança pública e direitos humanos, denunciou na tarde desta sexta-feira (5) que uma de suas repórteres foi censurada durante uma coletiva de imprensa, mais cedo, da secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo.

De acordo com o site, a repórter e editora Maria Teresa Cruz se inscreveu para perguntar na coletiva sobre a ação da Polícia Militar em Guararema, nesta quinta-feira (4), que vitimou 11 pessoas. Estavam na mesa ario Sarrubbo, subprocurador-geral de SP, Tenente Mario Alves da Silva Filho, comandante da Rota, Tenente Coronel José Carlos Alves Brandão, comandante do CPA – M12, Adalberto Henrique Barbosa, divisionário do patrimônio do Deic, tenente coronel Luis Augusto Ambar, comandante do 4º Batalhão de Choque – Operações Especiais.

Mesmo incrita, a vez da repórter foi pulada e a coletiva foi encerrada sem que ela pudesse fazer a pergunta. Segundo o veículo, uma assessora quis saber o tema da pergunta previamente enquanto outros jornalistas perguntavam. Maria Teresa Cruz respondeu que perguntaria sobre conjuntura política e diretrizes da segurança pública. Após ouvir um “ok” da assessora, esperou até que chegasse sua vez, o que não ocorreu.

Veja também:  Depois de vídeo de pastor dizendo que foi "escolhido por Deus", Bolsonaro tuita seguidores rezando Pai Nosso

“Quando a a assessora disse ao microfone “última pergunta”, Teresa levantou o braço e se dispôs a falar, mas passaram a vez para outro jornalista e encerraram a coletiva em seguida. “Protestei em voz alta e ainda tive que ouvir: ‘agradeça, porque eles estão aqui para tirar dúvidas de vocês, imagine se não estivessem’”, narra o site.

A Ponte Jornalismo informa que questionou a InPress, empresa responsável pela assessoria da secretaria de Segurança Pública,  sobre o ocorrido, mas não obteve retorno.

Confira mais detalhes aqui.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum