COMPRE JÁ
23 de Fevereiro de 2018, 19h25

Porto Alegre ganhará a sua primeira vereadora transexual da história

A advogada Luísa Stern, militante histórica dos direitos da população LGBT, é suplente na Câmara Municipal de Porto Alegre e vai assumir a cadeira de vereadora na Semana Internacional da Mulher; entre suas pautas, estão a visibilidade da população LGBT e a reafirmação da identidade trans

O dia 7 de março deste ano ficará marcado na história como o dia em que, pela primeira vez, uma mulher transexual assumirá uma cadeira de vereadora da cidade de Porto Alegre (RS). A advogada Luísa Stern, que foi candidata pelo PT nas eleições de 2016, é suplente e assumirá o mandato em um esquema de rodízio estabelecido pelo PT da capital gaúcha para dar visibilidade às minorias.

Além de ser a primeira vereadora trans de Porto Alegre, Luísa é, possivelmente, a primeira mulher trans a se tornar vereadora em uma capital brasileira.

Com uma longa trajetória na militância, Luísa Stern é uma ativista histórica da pauta LGBT, das mulheres e dos direitos humanos. Como advogada, representou a população trans em inúmeros casos de violações de direitos.

Agora, como vereadora, pretende usar o espaço da Câmara para encampar as mesmas pautas ligadas às minorias.

“Eu espero é dar visibilidade à pauta das mulheres, vamos assumir na semana do Dia Internacional da Mulher. Haverá uma série de atividades. Também pretendo dar visibilidade para a pauta LGBT e à afirmação da identidade de mulher trans”, disse à Fórum.

À reportagem, Luísa também saudou a atitude do PT de Porto Alegre em estabelecer um rodízio de mandato entre os suplentes para dar visibilidade às minorias. “Isso pode servir de exemplo para o próprio PT de outras cidades e outros partidos, no sentido de que a gente que é minoria se candidata e não consegue uma votação muito grande. Então, cabe aos partidos proporcionar essa visibilidade. Não só à pauta trans, mas outras, como de pessoas negras, mulheres. Essas pessoas sempre têm mais dificuldades que as candidaturas masculinas. Então, eu considero uma quebra de paradigma”, pontuou.

Saiba mais sobre a cerimônia de posse de Luísa aqui.