Imprensa livre e independente
08 de junho de 2018, 09h05

Prefeito tucano de Porto Alegre manda boleto de R$ 180 mil para Feira do Livro usar praça

Pelo evento, que pode ser inviabilizado, já passaram escritores como Mario Quintana e Mario Vargas Llosa

Um dos eventos mais importantes e tradicionais de Porto Alegre está ameaçado de não acontecer em 2018 por uma decisão da prefeitura da cidade. A administração do prefeito Nelson Marchezan Jr. (PSDB) impõe R$ 180 mil para liberar a Praça da Alfândega para a realização da Feira do Livro. Criada em 1955, a Feira do Livro é uma das mais antigas do gênero do país. Pelo evento já passaram escritores como Mario Quintana e Mario Vargas Llosa. A Câmara Riograndense do Livro (CRL). Em 2018, deverá acontecer entre os dias 1º e 18 de novembro. A entidade se diz surpreendida...

Um dos eventos mais importantes e tradicionais de Porto Alegre está ameaçado de não acontecer em 2018 por uma decisão da prefeitura da cidade. A administração do prefeito Nelson Marchezan Jr. (PSDB) impõe R$ 180 mil para liberar a Praça da Alfândega para a realização da Feira do Livro.

Criada em 1955, a Feira do Livro é uma das mais antigas do gênero do país. Pelo evento já passaram escritores como Mario Quintana e Mario Vargas Llosa. A Câmara Riograndense do Livro (CRL). Em 2018, deverá acontecer entre os dias 1º e 18 de novembro. A entidade se diz surpreendida com o boleto recebido na última semana com a cobrança de R$ 179.849,60

O presidente da Feira, Isatir Antonio Bottin Filho declarou que é a primeira vez que a Feira do Livro recebe tal cobrança em mais de 60 anos. Ele pretende se reunir com a Secretaria Municipal de Cultura e com o prefeito de Porto Alegre para resolver o impasse.

Em nota divulgada na noite desta quinta-feira, depois da polêmica criada, a Prefeitura de Porto Alegre disse que a taxa não é definitiva e que a sua emissão somente será decidida depois de passar por todos os órgãos envolvidos.

Veja também:  Movimentos populares divulgam manifesto contra LGBTfobia

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum