Imprensa livre e independente
27 de julho de 2016, 11h31

Preta Gil vai à polícia após ser alvo de racismo no Facebook

Cantora foi vítima de uma onda de ataques e registrou ocorrência na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática; cerca de 100 perfis estão sendo investigados.

Cantora foi vítima de uma onda de ataques e registrou ocorrência na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática; cerca de 100 perfis estão sendo investigados Por Redação Em sua página no Facebook, a cantora Preta Gil recebeu uma onda de ataques de cunho racista. Usuários da rede publicaram frases como “pensei que macaca vivia apenas no zoológico ou na floresta” e “vou pegar meu chicote”. A artista registrou ocorrência nesta terça-feira (26) na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática. Preta postou um relato sobre o caso e ressaltou que a discriminação não é novidade para ela. “Desde muito nova convivi com o preconceito...

Cantora foi vítima de uma onda de ataques e registrou ocorrência na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática; cerca de 100 perfis estão sendo investigados

Por Redação

Em sua página no Facebook, a cantora Preta Gil recebeu uma onda de ataques de cunho racista. Usuários da rede publicaram frases como “pensei que macaca vivia apenas no zoológico ou na floresta” e “vou pegar meu chicote”. A artista registrou ocorrência nesta terça-feira (26) na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática.

Preta postou um relato sobre o caso e ressaltou que a discriminação não é novidade para ela. “Desde muito nova convivi com o preconceito de quem não aceitava ver filho de negro em uma escola particular, de quem não consegue aceitar que uma pessoa pode se chamar Preta (…) Ontem fui atacada com diversas mensagens de ódio em minha página no Facebook; uns atacaram minha cor, meu trabalho, meu corpo, outros tentando fazer piadas de péssimo gosto apenas para tentar me diminuir ou magoar”, escreveu.

Veja também:  Para cientista político, carta divulgada por Bolsonaro pode significar possibilidade de renúncia

De acordo com a Polícia Civil, o crime já está sendo investigado e a delegada responsável afirmou que pedirá a quebra de sigilo de pelo menos 100 perfis na rede social e que, se identificados, os agressores devem responder por injúria racial, com pena de um a três anos de prisão.

Foto: Reprodução/Facebook

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum