Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

11 de fevereiro de 2019, 19h57

Primeiro projeto de Joice Hasselman tem trechos iguais a projeto já vetado por Temer

A deputada do partido de Bolsonaro, que já tem histórico de plágio em matérias jornalísticas, literalmente copiou e colou trechos de um projeto que tramitou no Senado e já foi vetado pelo ex-presidente Michel Temer

Reprodução/YouTube

O primeiro projeto de lei apresentado pela deputado federal Joice Hasselman (PSL-SP), o PL 11/2019, tem partes iguais ao Projeto de Lei da Câmara (PLC 7/2016) que já tramitou no Congresso Nacional, mas teve os artigos vetados pelo então  presidente Michel Temer.

Leia também: Joice Hasselmann ataca jornalista da Fórum após copiar projeto vetado por Temer

Os três parágrafos copiados por Joice em seu projeto dizem respeito à previsão de que os Delegados de Polícia possam aplicar, provisoriamente, até deliberação judicial, medidas protetivas de urgência em favor da mulher, como a determinação para que o suposto agressor ficasse distante da vítima.

Tal previsão foi, contudo, vetada por Temer sob o argumento de que a prerrogativa de impor medidas protetivas de urgência é privativa do Poder Judiciário, não podendo ser estendida à Polícia.

Nos links e imagens abaixo é possível verificar que no projeto de Joice há exatos três parágrafos copiados e colados de outro projeto, tendo de novidade apenas que a falsa comunicação de crime incorrerá na prática de… crime.

Trecho projeto do Senado

Projeto de Joice

À esquerda, o projeto vetado. À direita, o projeto de Joice 

Em contato com o blog a congressista afirmou que o projeto foi vetado de forma “errônea” por Temer “por pressão e lobby por parte do judiciário” e a iniciativa visa corrigir o erro do veto.

Deputada tem histórico de plágio

Em 2015 o Sindicato dos Jornalistas do Paraná (SindijorPR) decidiu impedir, definitivamente, o ingresso de Joice Hasselmann no quadro da entidade, após comprovação de plágio. O sindicato aceitou a decisão do Conselho de Ética do Paraná (CEP) e ela não poderá utilizar serviços e benefícios concedidos a outros profissionais da área.

Naquela época ficou comprovado que a jornalista plagiou 65 reportagens, escritas por 42 pessoas diferentes, somente entre os dias 24 de junho e 17 de julho de 2014. A investigação vinha sendo feita pelo CEP depois que vários veículos solicitaram apuração sobre o caso.