25 de abril de 2018, 19h43

Prisão de Lula é lembrada na marcha em memória da Revolução dos Cravos, em Portugal

Na tradicional marcha de 25 de abril, que marca o aniversário da revolução que pôs fim ao regime salazarista em Portugal, manifestantes ergueram faixas pedindo "Lula livre" e lembraram do assassinato político da vereadora brasileira Marielle Franco

Foto: Aparecido Araujo Lima (Cidoli)

Em meio a palavras de ordem de “fascismo nunca mais”, milhares de portugueses e imigrantes que vivem em Portugal tomaram as ruas da capital Lisboa nesta quinta-feira (25) na tradicional marcha que, neste ano, marca 44º aniversário da Revolução dos Cravos – o levante pacífico das Forças Armadas unida à população que colocou fim a um regime autoritário de inspirações fascistas que controlava o país desde 1926, o salazarismo.

Em meio à inúmeras reivindicações por direitos e liberdade e homenagens àqueles que lutaram contra o fascismo, portugueses e brasileiros lembraram, durante a marcha, da prisão do ex-presidente Lula, com faixas e cartazes pedindo “Lula livre”. O assassinato político da vereadora brasileira Marielle Franco (PSOL) também foi lembrado no desfile, com faixas e cartazes de “Marielle vive”.

Mais cedo, em ato solene no Congresso antes da marcha, parlamentares portugueses também falaram sobre a situação da democracia no Brasil, citando o assassinato de Marielle e a prisão de Lula. Usando Chico Buarque, a deputada Isabel Pires, do Bloco de Esquerda, afirmou que “mesmo com tanto mar a nos separar, nos envia um cheirinho de alecrim, para ajudar a lembrar que não se pode matar ou aprisionar ideias”.

Confira abaixo algumas fotos da marcha feitas pelo jornalista Aparecido Araujo Lima, o Cidoli.