13 de novembro de 2013, 11h23

“Por que o senhor atirou em mim?”: Protesto questiona mortes de jovens negros nas periferias

Frase dita por Douglas Rodrigues, antes de morrer, é o mote de manifestação contra a violência policial

Frase dita por Douglas Rodrigues, antes de morrer, é o mote de manifestação contra a violência policial, que, segundo organizadores, tem cor e endereço Por Igor Carvalho  (Imagem: Divulgação) “Por que o senhor atirou em mim?”, esta foi a última frase do adolescente Douglas Rodrigues, antes de morrer, vítima de um tiro disparado por um policial militar, na Vila Medeiros, zona Norte de São Paulo. A pergunta se tornou emblemática para os movimentos sociais que lutam para chamar a atenção para o número de negros mortos nas periferias. Na próxima quarta-feira (13), uma manifestação vai pedir o fim da violência...

Frase dita por Douglas Rodrigues, antes de morrer, é o mote de manifestação contra a violência policial, que, segundo organizadores, tem cor e endereço

Por Igor Carvalho 

(Imagem: Divulgação)

“Por que o senhor atirou em mim?”, esta foi a última frase do adolescente Douglas Rodrigues, antes de morrer, vítima de um tiro disparado por um policial militar, na Vila Medeiros, zona Norte de São Paulo. A pergunta se tornou emblemática para os movimentos sociais que lutam para chamar a atenção para o número de negros mortos nas periferias. Na próxima quarta-feira (13), uma manifestação vai pedir o fim da violência policial.

No evento, criado no Facebook, mais de 1,3 mil pessoas confirmaram presença no ato, que partirá da Vila Sabrina, zona norte de São Paulo. Para divulgar a manifestação, alguns rappers como Dexter, Emicida, Flora Matos, GOG, Max BO, entre outros, gravaram um vídeo perguntando: “Por que o senhor atirou em mim?”

Confira o texto de divulgação do protesto:

“Por que o senhor atirou em mim?”, foi o que disse Douglas Rodrigues ao ser atingido no peito pela bala de um policial.
Disfarçada de acidente, a violência policial é dirigida. Tem cor e endereço, assim como Douglas, são jovens negros e de periferias.

Em 2010, no Brasil 49.932 pessoas foram vítimas de homicídio –> 70,6% delas eram negras.
Só na cidade de São Paulo, 624 jovens foram vítimas de homicídio em 2011 –> 57% eram negros.

Parece que em São Paulo, ser pobre, negro e morador de periferia é crime punido com pena de morte. Mas…. o Brasil não tem pena de morte e mesmo assim só a PM de SP mata mais do que a dos EUA.
A Polícia Militar obedece a um comando, que obedece a um Secretário que é subordinado a um Governador. Quem vai responder por tantos mortos?

Por que o senhor atirou em mim? Por que os senhores atiram em nós?

Ato:
Quando: Quarta-feira, 13.11 às 18h (saída do ato às 19h)
Onde: EE Professor Victor dos Santos Cunha – Rua João Simão de Castro, 280 na Vila Sabrina/Zona Norte

Leia também:
Ação policial mata cinco pessoas por dia no Brasil
A violência que tem idade e cor
Black blocs, o assassinato do menino Douglas e o inferno anunciado…