Seja Sócio Fórum
27 de setembro de 2014, 11h30

Província da Indonésia quer punir sexo gay com 100 chibatadas

Castigo já era aplicado por delitos como ingerir bebidas alcoólicas, fazer apostas e manter relações fora do casamento.

Castigo já era aplicado por delitos como ingerir bebidas alcoólicas, fazer apostas e manter relações fora do casamento Por Redação Neste sábado (27), a província indonésia de Aceh, a única do país que aplica a lei islâmica, aprovou por unanimidade uma lei que permite o uso de castigo físico em pessoas que mantenham relações homossexuais, com uma pena de 100 chibatadas. A nova medida foi considerada um retrocesso por defensores dos direitos humanos. A nova regulação será aplicada mesmo para estrangeiros e pessoas não muçulmanas. O açoitamento já era utilizado na região por delitos como ingerir bebidas alcoólicas, fazer apostas...

Castigo já era aplicado por delitos como ingerir bebidas alcoólicas, fazer apostas e manter relações fora do casamento

Por Redação

Neste sábado (27), a província indonésia de Aceh, a única do país que aplica a lei islâmica, aprovou por unanimidade uma lei que permite o uso de castigo físico em pessoas que mantenham relações homossexuais, com uma pena de 100 chibatadas. A nova medida foi considerada um retrocesso por defensores dos direitos humanos.

A nova regulação será aplicada mesmo para estrangeiros e pessoas não muçulmanas. O açoitamento já era utilizado na região por delitos como ingerir bebidas alcoólicas, fazer apostas e manter relações fora do casamento. Desde 2010, pelo menos 156 pessoas foram condenadas a esse tipo de castigos físicos em Aceh.

A Anistia Internacional tenta intervir e já enviou um comunicado aos legisladores para que a punição seja reavaliada. “O açoitamento é cruel, desumano e um castigo degradante que está claramente proibido pela legislação internacional. As vítimas não só experimentam dor e humilhação, mas frequentemente também enfrentam danos físicos e psicológicos de longo prazo”, afirmou Richard Bennett, diretor da Anistia Internacional na Ásia e o Pacífico.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum