23 de fevereiro de 2019, 15h57

Provocador, Guaidó dirige caminhão para invadir Venezuela

Após pronunciamento conjunto com o presidente da Colômbia, Iván Duque, na cidade de Cúcuta Guaidó partiu em direção à Venezuela com comboio de dez caminhões

Comboio chega à Venezuela - Foto: Reprodução-Twitter
O presidente autoproclamado da Venezuela, Juan Guaidó, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o presidente da Colômbia, Iván Duque, pediram neste sábado (23) que a Venezuela abra suas fronteiras para permitir a entrada de comboios com mantimentos, furando o bloqueio do presidente Nicolás Maduro. Segundo matéria do portal G1, após pronunciamento conjunto com Duque na cidade de Cúcuta, na fronteira colombiana com a Venezuela, Guaidó partiu em direção ao país vizinho acompanhando o comboio. Os dez caminhões na fronteira com a Colômbia se preparam para deixar a cidade em direção à Venezuela. Guaidó postou em sua conta no Twitter,...

O presidente autoproclamado da Venezuela, Juan Guaidó, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o presidente da Colômbia, Iván Duque, pediram neste sábado (23) que a Venezuela abra suas fronteiras para permitir a entrada de comboios com mantimentos, furando o bloqueio do presidente Nicolás Maduro.

Segundo matéria do portal G1, após pronunciamento conjunto com Duque na cidade de Cúcuta, na fronteira colombiana com a Venezuela, Guaidó partiu em direção ao país vizinho acompanhando o comboio. Os dez caminhões na fronteira com a Colômbia se preparam para deixar a cidade em direção à Venezuela.

Guaidó postou em sua conta no Twitter, há cerca de uma hora, que os caminhões já estavam em território Venezuelano mas não estavam conseguindo avançar.

“Anunciamos que os caminhões da ajuda humanitária provenientes da Colômbia já estão em território venezuelano. O regime usurpador está impedindo sua passagem”, escreveu ele.

A oposição venezuelana marcou para este sábado o “dia D” para recebimento de doações de outros países. Mais cedo, o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, também pediu às Forças Armadas da Venezuela que abram as fronteiras com o Brasil para garantir a entrada de caminhões com alimentos e medicamentos doados pelos governos brasileiro e norte-americano.