13 de julho de 2018, 08h39

PT tem vídeos inéditos de Lula e vai divulgar nas redes

Canal de Lula no Youtube foi criado nesta semana e a meta do partido é levá-lo a 100 mil seguidores o quanto antes.

Depois de a juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal de Execuções Penais de Curitiba, ter negado a participação de Lula em debates, entrevistas e eventos eleitorais, o partido afirmou que vai exibir gravações inéditas do ex-presidente realizadas no dia 7 de abril.

“Enganam-se os que acham que irão calar a voz do ex-presidente”, disse a assessoria do petista, em nota. Lula gravou os vídeos dias antes de ser preso.

Para que a estratégia seja bem sucedida o partido criou um canal oficial de Lula no Youtube nesta semana que no momento da realização desta matéria já tinha chegado a 35 mil seguidores. A meta do partido é  levá-lo a 100 mil o quanto antes.

O PT vai apelar da decisão da juíza Carolina Lebbos que negou o pedido feito pela defesa de Lula para que o ex-presidente pudesse gravar vídeos, conceder entrevistas, participar de debates e atos de pré-campanha à distância, por videoconferência, além de participar da convenção do PT.

A juíza considera que o petista está inelegível, mas esta decisão não é dela e cabe à Justiça Eleitoral após o registro da candidatura de Lula.

O PT vai argumentar que até o traficante Fernandinho Beira Mar concedeu entrevistas na prisão e que a decisão da juíza é absolutamente inconstitucional.