Colunistas

24 de janeiro de 2019, 16h34

Qual é o interesse da Globo em criticar Bolsonaro?

Raphael Silva Fagundes: “Não podemos agir como insetos atraídos pela luz da lâmpada e nos excitar com qualquer ação do governo. Precisamos saber interpretar a questão para não fazermos o jogo do inimigo”

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Às vezes, tenho a sensação de estar sendo engado. Quando a esquerda está falando a mesma língua que a maior corporação midiática do país, é preciso ter cuidado.

A rede Globo dedicou-se a queimar a imagem do presidente e de sua família, mas será que ela se põe contra o sistema que está se montando? Creio que para a corporação, o vice, Mourão, seria muito melhor que Bolsonaro. Isso porque ela adverte o novo presidente devido ao discurso deste sobre ideologia de gênero, feminismo etc…

Fórum terá um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Essa questão é intrigante. A Globo, Folha de São Paulo e outras mídias da corporação, nunca fizeram críticas às propostas de privatização e às reformas reacionárias que Bolsonaro dará continuidade. E se tirarmos a questão do kit gay, feminismo etc., do discurso de Bolsonaro temos Mourão.

Um general no poder não seria problema algum para o conglomerado midiático já que apoiou a ditadura militar. O discurso de Mourão é perfeito para a Globo. Esta jamais se importaria se o 13° salário deixasse de existir, assim como as férias. Esse não é o problema. O problema da Globo é o discurso politicamente incorreto e a questão religiosa de Bolsonaro, o resto, sua política econômica entreguista, não a incomoda.

Veja também:  Delis Ortiz, da Globo, dá Bíblia a Bolsonaro e agradece em nome dos jornalistas por entrevista que não pode ser gravada

Por que não se deu destaque ao elogio da imprensa internacional e dos setores empresariais ao discurso de Bolsonaro em Davos, que destacava a abertura das pernas do país para o capital externo? Falou-se do pouco tempo… E daí? Destacaram uma coisa para não falar do que realmente importa: a política econômica a qual essa mídia está alinhada.

Temos que deixar claro que estamos de um lado diferente dessa mídia oportunista. Além disso, nossa crítica não deve ser pessoal, mas contra o sistema. Não devemos pensar em tirar Bolsonaro, mas abalar o sistema como um todo.

Mourão no lugar de Bolsonaro teria o apoio da mídia e o apoio popular, pois este, supostamente, não se envolve em corrupção. Seu discurso não é contra as minorias, nos momentos que pareceu, logo buscou pedir desculpas, coisa que Bolsonaro não o fez.

A rixa da Globo contra Bolsonaro não é por sua política econômica, mas sua relação com outras corporações midiáticas e devido ao discurso conservador moralista, o qual as produções Globo não se alinham.

Veja também:  General Villas Bôas sai em defesa de Moro e faz nova ameaça a quem tenta "esvaziar a Lava Jato"

É hora de pensarmos sobre o que dizemos. Não estou defendendo o presidente eleito, mas refletindo sobre as críticas feitas a ele. Não podemos agir como insetos atraídos pela luz da lâmpada e nos excitar com qualquer ação do governo. Precisamos saber interpretar a questão para não fazermos o jogo do inimigo. E, outra, a esquerda precisa urgentemente recuperar o discurso radical.

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais