Blogs

12 de janeiro de 2019, 16h47

Quando a realidade supera a comédia na série “Who is America?”

Como fazer uma sátira política de um país que parece imitar os estereótipos que a própria mídia faz da América? Como fazer humor de um país que já teve um ex-ator de Hollywood como presidente e, o atual, um dublê de empresário e ex-apresentador de reality show de TV? Esse é o desafio do comediante Sacha Baron Cohen na série “Who is America?” (2018-): como satirizar um país no qual a realidade parece superar a comédia

Desde a Segunda Guerra Mundial, a imaginação literária tem um sério concorrente: a realidade, cujos eventos cada vez mais superam a ficção em escala, efeitos e estética. Desde o Holocausto e o cogumelo nuclear que devastou cidades durante a guerra, nunca mais a ficção conseguiu superar a realidade.

Por exemplo, o escritor e poeta “maldito” norte-americano Charles Bukowski dizia que tinha que lançar mão do exagero, bizarrices e um humor corrosivo que causasse os sentimentos mais extremos (do ódio e nojo, até o amor e a paixão), para poder superar o impacto dos fatos reais que acabavam superando qualquer imaginação ficcional.

Certamente o comediante Sacha Baron Cohen tinha isso em mente ao estrelar a série Who is America? (2018), apresentada no canal norte-americano Showtime em sete episódios. A premissa da série é explícita: “explorar os diversos indivíduos, desde o infame até o desconhecido através do espectro político e cultural que habitam nossa nação única”.

Porém, representar um país como os EUA é difícil. Principalmente porque na América estão Hollywood e a gigantesca indústria de entretenimento que irradiam imagens e sonhos para grande parte do planeta. E de tanto fabricar imagens e entretenimentos, acabou acreditando neles. Resultando num país hiper-real cuja realidade tenta imitar a ficção: cidades que viram cenografias e pessoas (políticos, subcelebridades e desconhecidos) que tentam emular clichês e personagens fílmicos e televisivos.

Séries como a brasileira América, de João Moreira Sales e que foi ao ar pela extinta TV Manchete em 1989, já mostraram isso – representar lugares e pessoas a partir da mitologia cinematográfica do Jazz, do Blues, do automóvel e de uma arquitetura urbana que se assemelha a fachadas cenográficas – sobre a série clique aqui.

Veja também:  Impeachment é coisa da velha direita: vamos fortalecer as mobilizações para derrotar o governo e seu programa

Mas o propósito de Who is America? é ainda mais complicado: como fazer uma sátira política, comportamental e de costumes de uma nação que, ela própria, já é um misto e paráfrase e paródia que a própria mídia faz dos EUA?  Afinal, um ex-ator de Hollywood já foi presidente (Ronald Reagan nos anos 1980) e Donald Trump (um dublê de empresário e apresentador de reality show televisivo O Aprendiz) é o atual presidente, cuja performance diária parece a de ser uma paródia de si mesmo.

Em outras palavras: como o comediante Sacha Cohen poderia fazer uma “sátira política” se os próprios personagens do cenário político e cultural atual parecem ser eles próprios paródias de si mesmos? Como a representação cômica poderia superar uma realidade que, de início, já é tragicômica?

Esse parece ser o desafio central de Who is America? Para enfrenta-lo, em muitos momentos Sacha Cohen parte para o “politicamente incorreto” no melhor estilo Bukowski, para despertar raiva, nojo e repulsa. Ou, se é possível, explorar uma linguagem mockumentary híbrida – um mix de “media prank” (pegadinhas) com espécies de brincadeiras ou jogos em que os entrevistados parecem conscientes e aceitam – afinal, estar diante das câmeras em um show de TV é atraente para personagens hiper-reais.

A crítica parece não ter entendido essa proposta desafiadora da série: acusam o humor “incorreto” de Sacha Cohen de repetitivo e ofensivo. Além de não entender qual o objeto da crítica. Perguntam: afinal, do que se trata Who is America? O fato é que ao longo dos sete episódios, todos os lados do espectro político são ridicularizados: dos liberais democratas “politicamente incorretos” à direita republicana bélica que inacreditavelmente leva à sério as propostas paródicas de Sacha Cohen – por exemplo, armar as crianças a partir dos três anos para enfrentar os atiradores e terroristas muçulmanos que invadem escolas…

Veja também:  Gravidade, a voz feminina na poesia de Ellen Maria

A Série

Como de hábito nos filmes anteriores (Borat, O Ditador, Brüno), Sacha Cohen está quase irreconhecível nas próteses e pesadas maquiagens de cinco personagens que entrevistam desde apoiadores de Trump, um DJ da Flórida, até senadores e políticos como Bernie Sanders, o republicano do Estado da Geórgia Jason Spencer e o ex-juiz do Alabama, Roy Moore.

Cohen é “Billy Wayne Ruddicj Jr. Phd”, teórico da conspiração de extrema direita que emula o conhecido jornalista conspiratório conservador Alex Jones do “Infowars.com”; “Dr. Nira Cain-N’Degeocello”, um professor de extrema-esquerda em estudos de gênero (continuamente pede desculpas por ser hetero), sua esposa chama-se Naomi e seus filhos Harvey Milk e Malala; “Rick Sherman”, um britânico ex-presidiário que tenta se lançar no mundo das artes plásticas e música pop a partir de elementos “criativos” retirados da sua vida na prisão: excrementos e fluidos corporais;

“Erran Morad”, um perito antiterrorismo israelense (que a cada episódio se apresenta como “coronel” ou “brigadeiro”, “capitão” e assim por diante) com métodos nada ortodoxos para combater o “Mal” – terroristas, pedófilos etc.; Gio Monaldo, um playboy fotógrafo de Milão que possui um programa na TV italiana chamado “La Vita Diamante di Gio”. Suas causas de caridade incluem vítimas do Ebola na África e “crianças-soldados”; e “OMGWhizzBoyOMG”, um youtuber que abre caixas de brinquedos colecionáveis enquanto faz entrevista no canal do Youtube.

Veja também:  Ele não seguia regras...

No primeiro episódio Erra Morad entrevista diversos conservadores (presidente de ligas de armas, lobistas e o senador Trent Lott) defensores dos direitos das armas e da necessidade dos professores se armarem nas escolas para enfrentarem atiradores. Morad é mais radical: propõe um sistema supostamente infalível em Israel – armar e treinar crianças a partir dos três anos, mas crianças “diferenciadas e treinadas”. Phip Van Cleave, presidente da Virgínia Defence League, chega a participar de um “vídeo didático” para crianças proposto por Morad, sobre os benefícios de armas portadas nas escolas e disfarçadas de bichinhos de pelúcia…

Morad também faz uma pegadinha com três apoiadores “red necks” de Trump: como atrair imigrantes ilegais e pedófilos para prendê-los? O exército de Israel sabe como: simula-se uma “Quinceañera” (festa de quinze anos para meninas) para enganar os vilões. Morad faz os apoiadores se disfarçarem de meninas adolescentes (com direito a calcinhas de borracha com simulações de vagina para se tornarem mais atraentes aos “mexicanos pedófilos”), enquanto o terceiro se esconde dentro da piñata com uma câmera de vídeo. Até a polícia chegar e dar uma batida, confundindo os “red necks” com verdadeiros pedófilos.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

 

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum